Advento, preparando o coração para a vinda do Senhor!

dezembro 3, 2014

advento 4Vem Senhor Jesus! Esse é o grande desejo que ecoa em nossos corações nesse tempo litúrgico maravilhoso que estamos vivendo que é o tempo do Advento. Advento é uma palavra que vem do latim “Adventus”: chegada, aproximação, vinda. Neste tempo, celebramos duas verdades de nossa fé: a primeira vinda (o nascimento de Jesus em Belém) e a segunda vinda de Jesus (a Parusia). Assim, a Igreja comemora a vinda do Filho de Deus entre os homens (aspecto histórico) e vive a alegre expectativa da segunda vinda d’Ele, em poder e glória, em dia e hora desconhecidos (aspecto escatológico).

O advento é um tempo de oração, reflexão, onde preparamos o nosso coração e alma para o Natal do Senhor. Viver bem cada tempo litúrgico nos ajuda em nosso crescimento espiritual. Não perder as oportunidades que a Igreja nos convida a viver, nos faz acompanhar bem as estações espirituais e crescer em nossa espiritualidade.

Pensemos que nessa época as pessoas arrumam suas casas, pintam, decoram, compram presentes, roupas novas. Na verdade tirando os aspectos do consumismo que em nada nos edificam, mas olhando com bons olhos essa preparação dos lares, pensemos também que quando estamos esperando alguém muito especial que amamos, nos organizamos, arrumamos nossa casa, fazemos o nosso melhor para que essa pessoa tão especial seja bem acolhida e receba nossa atenção, conforto e sinta-se bem. Casa mal arrumada não é adequada para acolher os amigos e familiares que irão chegar. Jardim sujo não pode se tornar um canteiro para novas sementes. Esperar é também tempo de cuidado, tempo de organização.

Assim deve funcionar também com nossa alma. Devemos prepará-la no Advento para o tempo do Natal, do nascimento de Jesus, por isso estamos num tempo de “faxina interior”. Onde somos convidados à oração, confissão, reflexão e uma busca de crescimento, maturidade interior.

Atentos ao convite do Advento, abramos o coração e vivamos com intensidade essa estação espiritual. É tempo de limpar a alma dos excessos, das sujeiras, das mágoas e falta de perdão, do egoísmo e individualismo, das mentiras e fofocas, das vaidades que nos cegam e da falta de caridade para com o nosso próximo.

Casa mal arrumada não é local adequado para receber quem nos visita. Coração bagunçado dificilmente tem espaço para acolher quem chega. Neste tempo do advento, a faxina da espera deve remover as teias de aranha dos sentimentos que estacionaram em nossa alma. O pó que asfixia o amor deve ser varrido. Tempo novo exige um coração novo.

Vivendo bem esse tempo de vigilância com lâmpadas acesas e preparados para a grande parusia chegaremos com a alma limpa e livre ao Natal guardando no coração os valores eternos e alegria da vida em Cristo.

Fraternalmente,

Fabiana Paula


Antipatias gratuitas

outubro 30, 2014

antipatias gratuitas

O que lhe faz antipatizar alguém?

 Dar um passo na superação das antipatias gratuitas é um caminho fantástico de libertação. Não podemos expor as pessoas ao nosso desamor. É um pecado contra a caridade, contra o amor ao próximo.

Há uma pergunta que é importante ser feita:

O que eu já alcancei do meu cristianismo? O que em mim ainda não é parecido com Jesus?

Que não seja uma obrigação, mas uma decisão, uma obediência livre e uma consequência da minha decisão de ser cristão.

Vamos ver o que a psicologia nos diz sobre como funciona uma antipatia.

“Em geral, o comportamento do outro nos remete a algo ou alguém que não nos fez bem. A antipatia, nesse caso, é um mecanismo de alerta e defesa que nos faz dar um passo atrás, ficar espertos e observando o outro”, a antipatia será mais forte quanto mais desagradável tiver sido a experiência do passado. “E pode estar também relacionada a valores diferentes dos nossos. Se eu cultivar a humildade, por exemplo, vou me incomodar com pessoas esnobes. Essas diferenças podem dar espaço para que nasça a antipatia”, diz  a psicóloga Daniela Levy em um artigo para a revista UOL. Se eu falar alto e rápido, ao ouvir alguém que fale baixo e lentamente irei ficar incomodada com aquela postura.

Em outros casos, “Se conhecermos pessoas com físico ou jeito que nos lembra de alguém do passado que não nos proporcionou uma experiência positiva, projetaremos sentimentos negativos sobre ela que, às vezes, nem é desse jeito” diz Daniela Levy.

Pessoas tímidas muitas vezes são rotuladas de arrogantes. Essas pessoas costumam ser mais isoladas, não conversam, passam essa impressão errada. Por isso, vale a pena criar uma oportunidade para mudar de ideia.

Há casos também que a antipatia o ciúme, a inveja, ou aquele defeito que ela tem me incomoda porque eu tenho também a mesma limitação e olhar alguém assim me lembra de quem eu sou de verdade. Amar sem esperar nada em troca é o grande desafio do cristianismo.

Eu já fui vítima de antipatias gratuitas, de vez em quando alguém partilha comigo que não ia com a minha cara, me achava chata, metida, sonsa. Mas eu também já julguei outras pessoas, agindo com pré-conceitos, dizendo inverdades de outras pessoas, submetendo-as ao meu julgamento antecipado. Hoje estou mais atenta a detectar quando lanço meu juízo ao outro e tento me aproximar das pessoas para que também elas me conheçam e parem de “pensa e achar” quem eu sou e me conheçam de verdade com minhas limitações e minhas qualidades.

Um grande erro é o “achismo” eu acho isso, eu acho aquilo, ou então “na minha opinião”. Como podemos achar algo de alguém, quando não conhecemos esse alguém? Como atribuir defeitos a alguém que eu nunca nem conversei? Lembrei-me de uma frase do Pe.Fábio de melo bem interessante: “Você sabe quem é você, alguns poucos lhe conhecem. A maioria lhe imagina.” Então, essa “imaginação”, destrói muitas vezes a beleza e a grandeza do outro. Perdemos a oportunidade de crescermos como pessoa e fazermos novas amizades.

E com certeza colocar diante de Deus esse mal estar, esse sentimento negativo de de repúdio ao outro que não fez absolutamente nada contra você e um exercício a ser feito sempre. Rezar pela pessoa, colocá-la diante de Deus, pedir a graça ao Espírito Santo. Santa Teresinha nos ensina: “Ah! agora compreendo que a caridade perfeita consiste em suportar os defeitos dos outros e em não se admirar de suas fraquezas”.

Santa Teresinha também viveu a problemática de antipatizar alguém, Havia uma irmã no Carmelo que tinha o “dom” de desagradar em tudo a Teresa. A tática de Teresinha era estar na ofensiva do bem. Não se contentava em evitar as manifestações exteriores de sua antipatia natural, — digamos: “de suas impressões egoístas”. Para vencer-se realmente, vai ao extremo das manifestações de simpatia e de afeição. De fato, essa tática não é somente a mais eficaz, e a mais fácil, a única que dá à alma entusiasmo e alegria: alegria do amor plenamente satisfeito. A vitória foi completa, tão completa, que uma de suas irmãs de sangue, Maria, a mais velha, que também era carmelita queixou-se de que ela amava mais a religiosa em questão do que a ela e suas irmãs, chegou a crer-se que era sua melhor amiga. É assim que combatem os santos. Podemos, pois, crer em Teresa quando nos comunica sua descoberta:

“Apliquei-me — diz ela — a fazer por essa Irmã o que faria pela pessoa mais amada. Cada vez que a encontrava rezava por ela, mas não me contentava com isso, procurava prestar-lhe todos os serviços possíveis — e quando era tentada a responder-lhe de modo desagradável, apressava-me em dar-lhe meu mais amável sorriso. 

Isso não era falsidade ou hipocrisia, mas a luta pela vivência evangélica!

Peçamos ao Senhor a graça de nos relacionarmos bem uns com os outros e estarmos atentos e dispostos a crescermos e evoluirmos nos gestos de caridade fraterna e deixa cair por terra primeiras impressões que assassinam a verdade do outro.

Deus os abençoe e sigamos firmes na estrada de Jesus.

Fraternalmente,

Fabiana Paula


Oração da Felicidade

agosto 4, 2014

Felicidade 1

Não chore pelo que você perdeu, lute pelo que você tem.

Não chore pelo que está morto, lute por aquilo que nasceu em você.

Não chore por quem te abandonou, lute por quem está ao seu lado.

Não chore por quem te odeia, lute por quem te quer feliz.

Não chore pelo teu passado, lute pelo teu presente.

Não chore pelo teu sofrimento, lute pela tua felicidade.

Não é fácil ser feliz, temos que abrir mão de várias coisas, fazer escolhas e ter coragem de assumir ônus e bônus para ser feliz.

Com o tempo vamos aprendendo que nada é impossível de solucionar, apenas siga adiante com quem quer e luta para estar com você.

Se engana quem acha que a riqueza e o status atraem a inveja.

As pessoas invejam mesmo é o sorriso fácil, a luz própria, a felicidade simples e sincera e a paz interior.


10 conselhos do Papa Francisco

agosto 1, 2014

papa Francisco

O Papa Francisco concedeu uma entrevista à revista argentina Viva, e entre as respostas deixou aos leitores alguns conselhos para uma vida feliz.

Os “10 conselhos do Papa” foram publicados, em espanhol, no último domingo, 27.

1) Viver e deixar viver, primeiro passo para a felicidade
“Aqui os romanos têm um ditado e podemos levá-lo em consideração para explicar a fórmula que diz: ‘Vá em frente e deixe as pessoas irem junto’.” Viva e deixe viver é o primeiro passo da paz e da felicidade.

2) Doar-se aos outros para não deixar o coração dormindo
“Se alguém fica estagnado, corre o risco de ser egoísta. E água parada é a primeira a ser corrompida.”

3) Mover-se com humildade, com benevolência entre as pessoas e as situações
O Papa usa o termo “remansadamente”, de um clássico da literatura argentina. “No [romance] ‘Dom Segundo Sombra’ há uma coisa muito linda, de alguém que relê a sua vida. Diz que em jovem era uma corrente rochosa que levava tudo à frente; quando adulto, era um rio que andava para frente; na velhice, sentia-se em movimento, mas remansado. Eu utilizaria essa imagem do poeta e romancista Ricardo Guiraldes, este último adjetivo, remansado. A capacidade de se mover com benevolência e humildade, o remanso da vida. Os anciãos têm essa sabedoria, são a memória de um povo. E um povo que não se importa com os mais velhos não tem futuro.”

4) Preservar o tempo livre como uma sadia cultura do ócio
“O consumismo levou-nos a essa ansiedade de perder a sã cultura do ócio, desfrutar a leitura, a arte e as brincadeiras com as crianças. Agora confesso pouco, mas, em Buenos Aires, confessava muito e quando via uma mãe jovem perguntava: Quantos filhos tens? Brincas com os teus filhos? E era uma pergunta que não se esperava, mas eu dizia que brincar com as crianças é a chave, é uma cultura sã. É difícil, os pais vão trabalhar e voltam às vezes quando os filhos já dormem. É difícil, mas há que fazê-lo”.

5) O domingo é para a família
“Um outro dia, em Campobasso (Itália), fui a uma reunião entre o mundo universitário e mundo trabalhador, todos reclamavam que o domingo não era para trabalhar. O domingo é para a família”.

6) Ajudar, de forma criativa, os jovens a conseguirem um emprego digno
“Temos de ser criativos com este desafio. Se faltam oportunidades, caem na droga. E é muito elevado o índice de suicídios entre os jovens sem trabalho. Outro dia li, mas não me fio, porque não é um dado científico, que havia 75 milhões de jovens com menos 25 anos desempregados. Não basta lhes dar de comer, há que inventar cursos de um ano de canalizador, eletricista, costureiro. A dignidade de levar o pão para casa”.

7) Cuidar da natureza, amar a criação
“Há que cuidar da criação e não estamos fazendo isso. É um dos maiores desafios que temos.”

8) Esquecer-se rapidamente do negativo que afeta a vida
“A necessidade de falar mal de alguém indica uma baixa autoestima. É como dizer: sinto-me tão em baixo que, em vez de subir, rebaixo o outro. Esquecer-se rapidamente do negativo é muito mais saudável”.

9) Respeitar o pensamento dos outros
“Podemos inquietar o outro com o testemunho para que ambos progridam com essa comunicação, mas a pior coisa que se pode fazer é o proselitismo religioso, que paralisa: ‘Eu converso contigo para te convencer’. Não. Cada um dialoga sobre a sua identidade. A Igreja cresce por atração, não por proselitismo”.

10) Buscar a paz é um compromisso
“Vivemos uma época de muitas guerras. Na África, parecem guerras tribais, mas são algo mais. A guerra destrói. E o clamor pela paz é preciso ser gritado. A paz, às vezes, dá a ideia de quietude, mas nunca é quietude, é sempre uma paz ativa”.

Fonte: http://papa.cancaonova.com/papa-francisco-da-10-conselhos-para-uma-vida-feliz/


“É preciso pensar bem de todos, falar bem de todos e querer bem a todos”! (Dom Bosco)

maio 16, 2014

bem

Hoje me veio à lembrança essa frase de Dom Bosco que aprendi da boca do Padre Jonas Abib. Num mundo com tanta maldade, onde cada um cada vive por si mesmo e não está preocupado com nada que não lhe traga benefícios, é difícil entender essa frase, pois ela soa como imprópria, uma utopia ou até mesmo como uma bobagem, coisa de gente “otária” que leva sempre a pior.

Na verdade aí vejo que Dom Bosco quis nos convidar a um esforço diário. Todo dia nas nossas ações devemos filtrar bem aquilo que alimentamos no nosso pensamento, na nossa língua e no desejo para com o outro. Quanta gente perde seu tempo preciso alimentando ressentimentos e mágoas ou preocupado com a vida dos outros, disseminando o mal e o negativismo, sujando a imagem dos outros e esquece-se de viver bem sua vida, descartando os lixos que apodrecem nossa alma e nos tornam pessoas amargas, azedas, insuportáveis.

Dom Bosco escreveu essa frase porque experimentou em sua própria vida o desafio da boa convivência e ele escreveu que “é preciso”, ou seja, é necessário empenhar-se no bem de todos, isso não significa dizer que você precise ter uma convivência próxima com todos, você tem todo o direito de partilhar sua vida e privacidade com quem você escolher e quiser  e não tem obrigação de estar junto de pessoas que não somam nada em sua vida e não querem seu bem. Mas, também isso não significa dizer que você queira o mal para a vida delas, que as julgue e espalhe o veneno da maledicência, destruindo a imagem do outro.

A vida passa rápido demais, aproveite seu tempo e como nos disse São Paulo: “Enquanto temos tempo façamos o bem a todos”(Gal 6.10), a verdade é que tudo vai passar e a única coisa que permanecerá será o AMOR!

“O tempo urge, a eternidade nos espera”! (São João Paulo II)

Fraternalmente,

Fabiana Paula


Ele caminha junto a nós!

maio 4, 2014

Discípulos de Emaús

Paz e Bem queridos!

A passagem dos discípulos de Emaús é uma das leituras do Evangelho que mais amo. 
A tristeza, a decepção, a solidão, a traição, a angústia, a desesperança são sentimentos negativos que nos acompanham em determinados momentos de nossa vida e que muitas vezes nos cegam da presença constante e real do Senhor. Cegaram também aqueles discípulos que estavam entristecidos com a morte do grande profeta que eles admiravam e seguiam.
Nossa dor não pode nos separar do amor de Deus. Nossos sofrimentos não podem nos deixar longe da graça do Senhor que é gratuita e atinge a todos.
Quando as coisas parecerem estar arruinadas, destruídas e sem saída, lembre-se desse versículo:
Quando se sentou à mesa com eles, tomou o pão, abençoou-o, partiu-o e lhes distribuía. Nisso os olhos dos discípulos se abriram e eles reconheceram Jesus” (Lucas 24, 30-31).
Nossos olhos se abrem quando somos alimentados e fortalecidos por Jesus. ELE abre nossa visão e nos traz alegria e conforto. Reconhecemos Jesus na partilha, na comunhão, na fração do Pão, na Eucaristia.
Você se sente só e não consegue sentir a presença do Senhor? Leia a Bíblia, abra seu coração e deixe o amor do Senhor entrar e se alimente da sua Palavra e da Eucaristia. Volte à casa do Pai, à Igreja e se alimente do Corpo e Sangue do Senhor que tira toda cegueira de nossa mente e coração.
E termino dizendo, assim como os discípulos de Emaús disseram, essa linda frase, que essa seja nossa oração no dia de hoje:

Fica conosco Senhor!!!!!!

Tenha certeza o Senhor caminhada junto a ti!

Fraternalmente,
Fabiana Paula


Perdoar a si mesmo

abril 1, 2014

amar a si mesmoHoje quero partilhar sobre a graça libertadora do perdão.  Muitas vezes precisamos de momentos de autoconhecimento e liberar o perdão para nós mesmos.

Sim, é isso mesmo.  Precisamos perdoar a nós mesmos!

Já partilhei várias vezes e algumas pessoas expressam surpresa com o fato de desconhecerem o auto perdão. Perdoar a si mesmo, voltar a sua história de vida e encontrar os momentos em que você errou e seus erros trouxeram dor e consequências definitivas a você e a outros.

Quantas pessoas se arrependem de atos cometidos, palavras proferidas e de terem alimentado determinado pensamento?

Há pessoas que levam dentro de si culpa, remorso, arrependimento, e tudo isso são inimigos constantes de algumas pessoas e traz junto a humilhação, a vergonha, o medo e a maior consequência: a autopunição.

Para se livrar disso tudo faça uma lista de tudo aquilo que você se culpa, daquilo que fez e não fez. Seja honesto consigo mesmo. Depois, pense sobre as motivações que o fizeram fazer certas escolhas, agir de determinada forma e, ao invés de se culpar, punir ou se castigar, comece a lembrar de que muitas escolhas foram feitas por falta de maturidade, por ignorância, porque era o melhor que se podia fazer naquele momento. Nunca julgue situações passadas com valores do presente. E não se puna por tudo isso, mas procure reconciliar-se com sua história.

Uma maneira de cultivar a culpa é estar sempre exigindo perfeição de si mesmo. A anorexia e bulimia são exemplos disso. Nunca há satisfação consigo mesmo, gerando culpa, insatisfação e uma enorme dificuldade de se perdoar. Tudo que faz poderia ser melhor. Não importa o que faça ou conquiste. Ou o pior, não importa quem se é, parece que nunca é o bastante.

O perdão oferece saída para esse círculo vicioso, como uma escolha consciente de mudança. Será que a verdadeira causa está sendo considerada? Do contrário, tudo tende a piorar. Será que essa fome, esse vazio, não seria a necessidade, também inconsciente, de amor? Por que não buscar a fonte verdadeira que sacia toda fome e sede do nosso coração? O amor de Deus é o verdadeiro amor que preenche todos os vazios e traz paz e felicidade ao coração.

Perdoar a si mesmo exige uma completa honestidade e integridade para que se alcance a cura de tantos males, de tanta falta de amor-próprio. É um processo de reconhecer a verdade, assumir a responsabilidade pelo que fez, aprender com a experiência, reconhecer os sentimentos que motivaram determinados comportamentos, abrir seu coração para si mesmo, ouvir seus medos, curar certas feridas e isso você pode conseguir sendo amoroso e responsável consigo mesmo.

Peça ao Senhor que cure a ferida que mais lhe dói, que Ele cure sua vida emocional. A verdadeira cura começa fazendo as pazes consigo mesmo. O poder curativo do perdão e do amor talvez seja o remédio mais poderoso que temos. E está nas mãos de cada um de nós. E você pode começar com você mesmo! Quem cura e perdoa é Deus, mas somos nós que damos o primeiro passo e aquilo que não podemos fazer, Ele faz!

Faça a experiência e perdoe a si mesmo e após ter liberado o perdão a si mesmo, comece então a perdoar e pedir perdão a todos os outros que fazem parte de sua história. Busque a confissão para alcançar o perdão de Deus diante dos pecados cometidos e uma total libertação.

Vamos rezar juntos:

Senhor Jesus, te peço nesse momento que me ajudes a superar todos os meus erros cometidos, todas as minhas frustrações e arrependimentos. Ajuda-me a entender que não posso mudar os acontecimentos passados, mas que posso refazer minha história perdoando a mim mesmo em primeiro lugar e depois aos que passaram em minha vida. Eu quero Senhor, por isso peço tua ajuda para que eu possa perdoar a mim mesmo e refazer minha história fortalecida em ti, em teu amor e em tua misericórdia.

Obrigada Senhor!  

amar a si mesmo 2