Imitação de Cristo

abril 7, 2010

Olá meus queridos, quero meditar com vocês esse lindo trecho do livro “Imitação de Cristo”. Espero que gostem.

Deus os abençoe,

Fabiana.

Sê vigilante e diligente no serviço de Deus, e pergunta-te a ti mesmo: a que vieste, para que deixaste o mundo? Não será para viver por Deus e tornar-te homem espiritual? Trilha, pois, com fervor o caminho da perfeição, porque em breve receberás o prêmio dos teus trabalhos; nem te afligirão, daí por diante, temores nem dores. Agora, terás algum trabalho; mas depois acharás grande repouso e perpétua alegria. Se tu permaneceres fiel e diligente no seu serviço, Deus, sem dúvida, será fiel e generoso no prêmio. Conserva a firme esperança de alcançar a palma; não cries, porém  segurança, para não caíres em tibieza ou presunção.

 Certo homem que vacilava muitas vezes, ansioso, entre o temor e a esperança, estando um dia acabrunhado pela tristeza, entrou numa igreja, e diante dum altar, prostrado em oração, dizia consigo mesmo: Oh! se eu soubesse que havia de perseverar! E logo ouviu em si a divina respostas: Se tal soubesses, que farias? Faze já o que então fizeras, e estarás bem seguro. Consolado imediatamente, e confortado, abandonou-se à divina vontade, e cessou a ansiosa perplexidade. Desistiu da curiosa indagação acerca do seu futuro aplicando-se antes em conhecer qual fosse a vontade e o perfeito agrado de Deus para começar e acabar qualquer boa obra.

 Espera no Senhor e faze boas obras, diz o profeta, habita na terra e serás apascentado com suas riquezas (Sl 36,3). Há uma coisa que esfria em muitos o fervor do progresso e zelo da emenda: o horror da dificuldade ou o trabalho da peleja. Certo é que, mais que os outros, aproveitam nas virtudes aqueles que com maior empenho se esmeram em vencer a si mesmos naquilo que lhes é mais penoso e contrariam mais suas inclinações. Porque tanto mais aproveita o homem, e mais copiosa graça merece, quanto mais se vence a si mesmo e se mortifica no espírito.


Tudo deve estar sob a vontade de Deus

outubro 30, 2009
árvores 1

Confiar, esperar e sempre descansar no Senhor...

Meus queridos do meu blog, Paz e Bem ao coração de todos!

 Quero partilhar com vocês um lindo trecho do livro “Imitação de Cristo”, que hoje para mim está sendo um bálsamo. Sabe quando a gente planeja algo e sonha e as coisas não acontecem como a gente gostaria? Pois, é, aconteceu comigo e estava aqui pensativa e um pouco triste com um projeto que não pode ser iniciado.

Olhando na tela de meu computador, vi o arquivo que tenho do livro Imitação de Cristo, cliquei e comecei a ler ainda com o coração apertado, mas depois de ler um trecho muito lindo do livro, meu coração está em paz, tranqüilo, repousando e esperando em Deus que em seu tempo e se for de sua vontade fará acontecer. Senão acontecer terei a certeza que assim foi Deus que quis e que é para meu bem e minha felicidade.

 Desejo a vocês um lindo fim de semana e vamos rezar e meditar juntos esse trecho.

Fraternalmente, Fabiana.

Imitação de Cristo – Capítulo 22.1 – Da consideração da miséria humana

 Miserável serás, onde quer que estejas e para onde quer que te voltes, se não te voltares para Deus. Por que te afliges, quando não te correm as coisas a teu gosto e vontade? Quem é que tem tudo à medida de seu desejo? Nem eu, nem tu, nem homem algum sobre a terra. Ninguém há no mundo sem nenhuma tribulação ou angústia, quer seja rei quer Papa. Quem é que vive mais feliz? Aquele, de certo, que sabe sofrer alguma coisa por Deus.


Meditação da semana

setembro 28, 2009

flores

Bom Dia queridos em Cristo Jesus!

Hoje acordei querendo encher meu coração com leituras espirituais. Então abri em meu computador um texto de um livro fascinante, que me preenche muito, o livro Imitação de Cristo. Hoje fui edificada por ele e espero que vocês sejam também.

Abraço fraterno,

Fabiana.

Da prudência nas ações

“ Não se há de dar crédito a toda palavra nem a qualquer impressão, mas cautelosa e naturalmente se deve, diante de Deus, ponderar as coisas. Mas, ai! Que mais facilmente acreditamos e dizemos  dos outros o mal que o bem, tal é a nossa fraqueza. As almas perfeitas, porém, não crêem levianamente em qualquer coisa que se lhes conta, pois conhecem a fraqueza humana inclinada ao mal e fácil de pecar por palavras”.

“ Grande sabedoria é não ser precipitado nas ações, nem aferrado obstinadamente à sua própria opinião; sabedoria é também não acreditar em tudo que nos dizem, nem comunicar logo a outros o que ouvimos ou suspeitamos. Toma conselho com um varão sábio e consciencioso, e procura antes ser instruído por outrem, melhor que tu, que seguir teu próprio parecer. A vida virtuosa faz o homem sábio diante de Deus e entendido em muitas coisas. Quanto mais humilde for cada um em si e mais sujeito a Deus, tanto mais prudente será e calmo em tudo”.

 


Como se há de resistir às tentações?

junho 25, 2009

Pessoa pensativa no lago

Oi gente,

Estava meditando com um livro que me encanta e que nunca me canso de ler: A IMITAÇÃO DE CRISTO. Quero então partilhar com vocês um lindo texto desse livro numa parte que  fala das tentações desse mundo e como devemos ser vigilantes para não cairmos, pois, queridos,  sabe uma coisa que me dói na alma é ver alguém que conheceu a Jesus, que teve uma experiência com o Senhor, ser seduzido pelos prazeres do mundo, pelo SER, POSSUIR, pelo PRAZER. Que pena! Depois se lavar-se nas águas do Espírito volta para a lama do pecado.

Todos nós sabemos que não somos santos, que ainda estamos trilhando um caminho de santidade, mas se nos desviamos do Senhor, ficamos “desorientados” sem rumo e nos perdemos nas coisas “efêmeras”(passageiras) e perdemos nosso foco no que é eterno.

Meditemos então queridos e peçamos ao Senhor a graça da fidelidade e da obediência.

Abraço fraterno,

Fabiana Paula.

Como se há de resistir às tentações(Imitação de Cristo Cap. I.13).

“Enquanto vivemos neste mundo, não podemos estar sem trabalhos e tentações. Por isso lemos no livro de Jó (7,1): É um combate a vida do homem sobre a terra. Cada qual, pois, deve estar acautelado contra as tentações, mediante a vigilância e a oração, para não dar azo às ilusões do demônio, que nunca dorme, mas anda por toda parte em busca de quem possa devorar (1 Pdr 5,8) . Ninguém há tão perfeito e santo, que não tenha, às vezes, tentações, e não podemos ser delas totalmente isentos. São, todavia, utilíssimas ao homem as tentações, posto que sejam molestas e graves, porque nos humilham, purificam e instruem. Todos os santos passaram por muitas tribulações e tentações, e com elas aproveitaram; aqueles, porém, que não as puderam suportar foram reprovados e pereceram. Não há Ordem tão santa nem lugar tão retirado, em que não haja tentações e adversidades”.