dezembro 2, 2008

Parábola do Rico E Lázaro    

parabola-do-rico-e-lazaro

 Ora, havia certo homem rico  que se vestia de púrpura e de linho finíssimo e que, todos os dias, se regalava esplendidamente .

Havia também certo mendigo, chamado Lázaro, coberto de chagas, que jazia à porta daquele;

 e desejava alimentar-se das migalhas que caiam da mesa do rico; e at;e os cães vinham lamber-lhe as úlceras.

 Aconteceu morrer o mendigo e ser lavado pelos anjos para o seio de Abraão; morreu também o rico e foi sepultado.

 no inferno, estando em tormentos, levantou os olhos e viu ao longe a Abraão e Lázaro no seu seio

 Então, clamando, disse : Pai Abraão, tem misericórdia de mim! E manda Lázaro  que molhe em água a ponta do dedo e me refresque a língua, porque estou atormentado nesta chama.

Disse, porém Abraão : Filho, lembra-te de que recebeste os teus bens em tua vida, e Lázaro igualmente, os males : agora, porém , aqui, ele está consolado; tu, em tormentos

 e, além de tudo, está posto um grande abismo entre nós e vós, de sorte  que os querem passar daqui para vós outros não podem, nem os de lá passar para nós

 Então, replicou pai, eu te imploro  que mandes à minha casa paterna,

 porque tenho cinco irmãos; para que lhes dê testemunho a fim de não virem também para este lugar de tormento. 

 Respondeu Abraão : Eles têm Moisés e os Profetas; ouçam-nos.

 Mas ele insistiu : Não, pai Abraão; se alguém dentre os mortos for ter com  eles, arrepender-se-ão .

 Abraão, porém, lhe respondeu : Se não ouvem a Moisés e aos Profetas, tampouco se deixarão persuadir; ainda  que ressuscite alguém dentre os mortos.  

 

  O rico levou uma vida egocêntrica. Escolheu mal e sofreu eternamente. Lázaro viveu a totalidade da sua vida na pobreza, mas seu coração era reto para com Deus. Seu nome significa : “Deus é meu socorro” , e ele nunca abdicou da sua fé em Deus. Morreu e foi imediatamente levado ao Paraíso, para estar com Abraão. Os destinos desses dois homens foram irreversíveis a partir da sua morte. 

  Seio de Abraão- Uma figura de linguagem usada por Jesus nesta parábola, ilustrando o grande abismo, posto entre a bem-aventurança do paraíso e a miséria do hades (inferno). O falecido Lázaro é descrito como alguém reclinado próximo de Abraão, na festa dos benditos, segundo a maneira judaica que levava a cabeça de uma pessoa quase a encostar-se contra o peito de outra que estivesse reclinada mais para cima. E era nessa posição que ficava o hóspede mais favorecido em relação ao anfitrião. Reclinar-se no seio de Abraão, na linguagem  talmúdica, era igual a entrar  no paraíso.  

Anúncios

A PARÁBOLA DOS TALENTOS

novembro 28, 2008

(Mat. 25,14-29)

 parabola-dos-talentos

Pois será como um homem que, ausentando-se  do país,

      chamou os seus servos e lhes confiou os seus bens.

 A um deu cinco talentos, a outro, dois e a outro um; a

      cada um segundo a sua própria capacidade; e, então,

      partiu.

 O que recebera cinco talentos saiu imediatamente a negociar

      com eles e ganhou outros cinco.

 do mesmo modo, o que recebera dois ganhou outros dois.

 Mas o que recebera um , saindo, abriu uma cova e escondeu

     o dinheiro do seu senhor.

 Depois de muito tempo , voltou o senhor daqueles servos e

      ajustou contas com eles,

Então, aproximando-se o que recebera cinco talentos, entregou

      outros cinco, dizendo : Senhor , confiaste-me cinco talentos ;

      eis aqui outros cinco talentos que ganhei.

Disse-lhe o Senhor : Muito bem, servo bom e fiel ; foste fiel no

      pouco , sobre o muito te colocarei ; alegra-te com o

 teu Senhor .

E, aproximando-se também o que recebera dois talentos ; disse :

      Senhor, dois talentos me confiaste ; aqui tens outros dois    que

      Ganhei .

Disse-lhe o Senhor : Muito bem, servo bom e fiel; foste fiel no

      pouco, sobre o muito te colocarei ; alegra-te com o teu Senhor.

Chegando, por fim, o que recebera um talento, disse : Senhor ,

      sabendo que és homem severo, que ceifas onde não semeaste  e

     ajuntas onde não espalhaste,

receoso, escondi na terra o teu talento; aqui o que é teu .

Respondeu-lhe, porém, o senhor : Servo mau e negligente, sabias

     que ceifo onde não semeei e ajunto onde espalhei ?

Cumpria, portanto, que entregasses o meu dinheiro aos banqueiros;

      e eu, ao voltar, receberia com juros o que é meu.

Tirai-lhe , pois, o talento e daí-o ao que tem dez.

Porque a todo o que tem se lhe dará, e terá em abundância ; mas ao

      que não tem, até o que  tem lhe será tirado.

E o servo inútil,lançai-o para fora, nas trevas. Ali haverá choro e

      ranger de dentes.

 

Quanto á conta dos talentos temos nesta parábola , a quem um homem

encomendou diferentes conjuntos de coisa de valor : riquezas, haveres , etc.

para que negociassem com eles, enquanto fazia uma certa jornada.  O homem

é Cristo , a jornada foi a de sua subida ao céu e o retorno há de ser no dia do Juízo,

em que há de pedir conta a cada um , do que negociou com os talentos que lhe deu,

e do que lucrou e ganhou com eles.  Os talentos são os meios com que a Providência

Divina assiste a todos os homens, e a cada um para a sua salvação e perfeição.

      Quão exata pois, haja de ser esta conta , e quão rigorosa para os que usarem mal o

talento.   Os servos , a  quem o senhor fiou os talentos , eram três :  ao

primeiro entregou cinco, o qual multiplicou outros cinco; ao segundo entregou dois, o qual

multiplicou dois, e ambos foram louvados . Ao terceiro deu um só talento, o qual  ele enterrou.

Seu senhor não só o lançou fora de casa e o mandou privar do talento, mas o pronunciou por mau servo, que foi a sentença de sua condenação.

E se quem na conta torna a entregar o talento que Deus lhe deu inteiro e sem defraude se  condena;  O Senhor nos deu dons, talentos, missões, cabe a cada um de nós executar bem e com amor aquilo que lhe foi confiado, sem reter nada para si, sem dar desculpas esfarrapadas, pois a medida que nos é dado será cobrada, se Deus nos confia algo espera de nós fidelidade para que quando partimos desse mundo e nos encontrarmos com Deus, ele possa dizer:

“Servo bom e fiel, vem e alegra-te com teu Senhor”.

 

Um abraço afetuoso a todos.

Fabiana Paula.


novembro 26, 2008

parabola-das-dez-virgens

A PARÁBOLA  DAS  DEZ  VIRGENS 

(Evangelho de Mt. 25,2-13) 

Então, o Reino dos céus será semelhante a dez virgens que, tomando as suas lâmpadas, saíram ao encontro do noivo. E cinco delas eram prudentes e cinco tolas.   As tolas tomando as suas lâmpadas não levaram azeite consigo. Mas as prudentes levaram azeite em suas vasilhas com as suas lâmpadas.  E, tardando o noivo foram todas tomadas de sono e adormeceram.  Mas, à meia noite, ouviu-se um grito: Eis o noivo! Saí ao seu encontro!  Então, se levantaram todas aquelas virgens e prepararam as suas lâmpadas.  E as tolas disseram às prudentes: Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas lâmpadas estão se apagando. Mas as prudentes responderam: Não, para que não nos falte a nós e a vós outros! Ide, antes, aos que o vendem e comparai-o. E, saindo elas para comprar, chegou o noivo, e as que estavam prontas entraram com ele para as bodas; e fechou-se a porta. Mais tarde, chegaram às virgens tolas, clamando; Senhor, senhor, abre-nos a porta! Mas ele respondeu: Em verdade vos digo que não vos conheço. Vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem à hora.

Esta parábola ressalta o fato que todos os que estão em Deus devem constantemente examinar sua vida espiritual, tendo em vista a vinda de Cristo num tempo desconhecido e inesperado . Devem perseverar na fé , para que uma vez chegados o dia e a hora , sejam levados pelo Senhor na sua volta . Estar sem comunhão pessoal com o Senhor quando Ele voltar , significa ser lançado fora da sua presença e do seu reino.

 1) O que faz a diferença entre o tolo e o sábio é que o tolo não reconhece que o Senhor, ao voltar, virá num tempo em que não é aguardado, nem precedido de sinais visíveis e específicos . 

2) Cristo mostra aqui que uma grande parte dos que o conhecem estará despreparado no momento da sua volta . Por isso, nos convida a vigilância.

3) Note-se  que  todas as dez virgens (tanto as prudentes como as tolas) foram surpreendidas ao vir o noivo . Isto indica que a parábola das dez virgens quer dizer que mesmo os corações fiéis ao Senhor, não sabem o dia nem a hora, por isso tem sempre azeite para que não falte.  Jesus numa série de ilustrações ressalta a necessidade de fidelidade e vigilância até que Ele volte. O azeite nesta parábola representa a presença permanente do Espírito Santo aliada à fé verdadeira e à santidade.


novembro 25, 2008

ovelha-perdida1

A PARÁBOLA DA OVELHA E DA MOEDA PERDIDA. 

A parábola da ovelha e da dracma perdidas

(Evangelho de Lucas cap.15 vers. 1-10)

E chegaram-se a Jesus todos os publicanos e pecadores para ouvi-lo.

E os fariseus e os escribas murmuravam , dizendo : Este recebe pecadores

e come com eles.

E ele propôs esta parábola, dizendo :

Que homem dentre vós, tendo cem ovelhas e perdendo uma delas, não deixa no deserto as noventa e nove e não vai após a perdida até que venha a achá-la ?

E, achando-a põe sobre seus ombros , cheio de júbilo :

e, chegando à sua casa, convoca os amigos e vizinhos , dizendo-lhes :

Alegrai-vos comigo, porque já achei a minha ovelha perdida .

Digo-vos que assim haverá alegria no céu por um pecador que se arrepende, mais

do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento.

Ou qual a mulher que, tendo dez dracmas, se perder um dracma , não acende   a candeia e varre a casa e busca com diligência até a achar ?

E, achando-a, convoca as amigas e vizinhas, dizendo: Alegrai-vos comigo, porque já achei a dracma perdida.

Assim vos digo que há mais alegria no céu por um só pecador que se arrependa.

 

As três parábolas de Lucas 15 : A ovelha perdida : A dracma perdida(ou moeda perdida) e o Filho PródigoRevelam que Deus é aquele que, no seu amor , busca a pessoa perdida para salvá-la.Nela aprendemos : 1) É de máxima importância para o coração de Deus a nossa busca dos perdidos ;2) Tanto Deus quanto o céu se regozijam ,mesmo quando um só pecador se arrepende; 3)Nenhum trabalho ou sofrimento nosso é demasiado grande na busca dos que estão perdidos para levá-los a Cristo .Deus  e os anjos, no céu, têm tamanho amor e compaixão daqueles que estão no pecado  e na morte espiritual e que quando um só pecador se arrepende, alegra-se todo o céu.Curiosidades:Dracma -é mencionada exclusivamente em Lucas 15:8 e seguinte no Novo Testamento.Era considerada como mais ou menos equivalente ao denariusromano . A moeda grega básica era a dracma. O denarius era a moeda romana básica.   A moeda da Grécia continua ainda hoje sendo a dracma.

 

 


novembro 22, 2008

A PARÁBOLA DO FILHO PRÓDIGO

(Luc 15,11-32)

filho-prodigo-1

Certo homem tinha dois filhos;

O mais moço deles disse ao pai: Pai dá-me a parte dos bens que me cabe. E ele repartiu os haveres.

Passados não muitos dias, o filho mais moço, ajuntando tudo o que era seu, partiu para uma terra distante e lá dissipou todos os seus bens, vivendo dissolutamente.

Depois de ter consumido tudo, sobreveio àquele país uma grande fome, e ele começou a passar necessidade.

Então, ele foi e se agregou a um dos cidadãos daquela terra e este o mandou para os seus campos a guardar porcos.

Ali, desejava ele fartar-se da comida que os porcos comiam; mas ninguém lhe dava nada.

Então, caindo em si, disse: Quantos trabalhadores de meu pai têm pão com fartura, e eu aqui morro de fome!

Levantar-me-ei, e irei ter com o meu pai, e lhe direi: Pai, pequei contra o céu e diante de ti;

já não sou digno de ser chamado teu filho ; trata-me como um dos teus trabalhadores ;

E, levantando-se, foi para seu pai. Vinha ele ainda longe, quando seu pai o avistou, e, compadecido dele, correndo, o abraçou, e beijou.

E o filho lhe disse: Pai, pequei contra o céu e diante de ti; já não sou digno de ser chamado teu filho.-

O pai, porém, disse aos seus servos:

Trazei depressa a melhor roupa, vesti-o, ponde-lhe um anel no dedo e sandálias nos pés;

Trazei também e matai o novilho cevado. Comamos e regozijemo-nos;

Porque este meu filho estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado. E começaram a regozijar-se

Ora, o filho mais velho estivera no campo; e, quando voltava, ao aproximar-se da casa, ouviu a música e as danças.

Chamou um dos criados e perguntou-lhe que era aquilo.

E ele informou: veio teu irmão, e teu pai mandou matar o novilho cevado, porque o recuperou com saúde.

Ele se indignou e não queria entrar, saindo, porém, o pai procurava conciliá-lo.

Mas ele respondeu a seu pai. Há tantos anos que te sirvo sem jamais transgredir uma ordem tua, e nunca me deste um cabrito sequer para alegrar-me com os meus amigos;

Vindo, porém, esse teu filho, que desperdiçou os teus bens com meretrizes, tu mandaste matar para ele o novilho cevado

Então, lhe respondeu o pai: Meu filho, tu sempre estás comigo; tudo o que é meu é teu.

Entretanto, era preciso que nos regozijássemos e nos alegrássemos, porque esse teu irmão estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado.

Nesta parábola, o Senhor ensina que uma vida de pecado e de egoísmo, nos afasta da comunhão com Deus. O pecador é como o filho mais jovem da parábola, que em busca dos prazeres do pecado, desperdiça os dotes físicos, intelectuais e espirituais que Deus lhe deu .  O resultado é desilusão e tristeza e, as vezes , condições pessoais degradantes, e, sempre, a falta da vida verdadeira e real, que somente se encontra no relacionamento correto com Deus.

Antes de um perdido vir a Deus, ele precisa reconhecer seu verdadeiro estado, de escravidão do pecado e de separação de Deus.  Precisa voltar humildemente ao Pai, confessar seus pecados e estar disposto a fazer tudo quanto o Pai quiser.  É o Espírito Santo quem convence o perdido pecador da sua situação pecaminosa.

A descrição que Jesus faz da reação favorável do pai, diante da volta do filho, ensina várias verdades importantes :

(1)  Deus tem compaixão dos pecadores por causa da triste condição deles .

(2)  o amor de Deus por eles é tão grande que nunca cessa de sentir pesar por eles e esperar a sua volta

(3)  Quando o pecador, de coração, volta para Deus, ele sempre está plenamente disposto a acolhê-lo com perdão, amor, compaixão, graça e os plenos direitos de um filho. Os benefícios da morte de Cristo, a unção do Espírito Santo e a graça de Deus estão à disposição daqueles que buscam a Deus.

(4)  A alegria de Deus pela volta dos pecadores é imensurável.

No versículo 24 – o pai diz : Meu filho estava morto…perdido- “Perdido” é empregado no sentido de estar perdido em relação a Deus , como “ovelha desgarrada”. A vida afastada da comunhão com Deus é morte espiritual. Voltar-se para Deus é alcançar vida verdadeira.

No versículo 28- O filho mais velho se indigna, O filho mais velho representa aqueles que têm sua religião e que exteriormente guardam os mandamentos de Deus, porém algumas vezes interiormente estão longe d’Ele e dos seus propósitos para o seu reino.

Deus nos ama e nos espera a cada queda, quando cometemos um pecado e nos afastamos de seu amor, ele nos espera ansiosamente como um Pai de Misericórdia.


novembro 21, 2008

tesouroperolarede

A PARÁBOLA DO TESOURO ESCONDIDO

 (Evangelho de Mateus cap. 13, 44-50)

O Reino dos céus é semelhante a um tesouro oculto no campo, o qual certo homem tendo-o achado, escondeu. E, transbordante de alegria, vai, vende tudo o que tem e compra aquele campo.

 A parábola da pérola

 O reino dos céus é também semelhante a um que negocia e procura boas pérolas ;  e, tendo achado uma pérola de grande valor, vende tudo o que possui e a compra.

A parábola da rede

O reino dos céus é ainda semelhante a uma rede que, lançada ao mar, recolhe peixes de toda espécie. E, quando já está cheia , os pescadores arrastam-na para a praia e, assentados, escolhem os bons para os cestos e os ruins deitam fora. Assim será na consumação do século; sairão os anjos, e separarão os maus dentre os justos,. E os lançarão na fornalha acessa; ali haverá choro e ranger de dentes

 As parábolas do Tesouro e da Pérola ensinam duas grandes verdades:

 1) O reino dos céus é um tesouro de valor incalculável que deve ser buscado acima de tudo 

2) É obtido quando renunciamos a tudo que nos impede de ser parte dele. Vender tudo significa que de todo nosso coração devemos abdicar de  todos os demais interesses por um único interesse supremo, que é Cristo.

 A parábola da Rede revela mais uma vez a verdade que Cristo enfatizou, isto é, que nem todos que estão no reino, na sua presente fase visível aqui na terra são verdadeiramente filhos de Deus. Na parábola da Rede que trata da volta de Cristo para julgar o mundo depois da tribulação a ceifa dos pecadores e a dos justos está na mesma ordem mencionada na parábola do joio e do trigo: os ímpios são ceifados primeiro, e os justos, em segundo lugar.  Tal seqüência mostra claramente, que a separação dos ímpios entre os justos terá lugar no fim da tribulação, e não no arrebatamento da igreja, ocasião em que o povo do Senhor é retirado do mundo. Nesta parábola Cristo volta a ressaltar o fato de que entre o povo de Deus há muitos que não são verdadeiramente leais a Ele e à sua Palavra. Isso nos faz pensar em nossa vida, em nós mesmos, lembrando aquela outra citação: “Nem todo o que diz, Senhor, Senhor, entrará no Reino dos Céus, mas sim aquele que faz a vontade de meu Pai que estpa nos céus”.(Mat 7.21).

 


Parábola do Joio e do trigo (13:24-30,36-43)

novembro 20, 2008

joio-e-trigo

Jesus propôs-lhes outra parábola:

O Reino dos céus é semelhante a um homem que tinha semeado boa semente em seu campo.

Na hora, porém, em que os homens repousavam, veio o seu inimigo, semeou joio no meio do trigo e partiu.

O trigo cresceu e deu fruto, mas apareceu também o joio.

Os servidores do pai de família vieram e disseram-lhe: – Senhor, não semeaste bom trigo em teu campo? Donde vem, pois, o joio? Disse-lhes ele: – Foi um inimigo que fez isto! Replicaram-lhe: – Queres que vamos e o arranquemos? Deixai-os crescer juntos até a colheita. No tempo da colheita, direi aos ceifadores: arrancai primeiro o joio e atai-o em feixes para o queimar. Recolhei depois o trigo no meu celeiro. Não, disse ele; arrancando o joio, arriscais a tirar também o trigo.

Essa parábola é bem interessante,

.A história do joio semeado no campo, encontrada apenas em Mateus (13:24-30,36-43), segue imediatamente após a parábola do semeador. Nesta, Jesus já havia insinuado que a justiça (o solo bom) terá de florescer num mundo onde muitos rejeitam o reino de Deus (o solo da beira do caminho) e outros a receberão de modo superficial e infrutífero (solo pedregoso e espinhoso). Na história do joio ele parece recomeçar por onde parou na do semeador, para tornar explícito o que antes fora apenas sugerido. O reino do céu é, na verdade, destinado a crescer e abrir o seu caminho no coração de um mundo onde o mal não é somente muito vivo e ativo, mas continuará a sê-lo até que esse mundo acabe.

Jesus é o único que pode separar o bem do mal, por isso Ele nos pediu que deixássemos que o joio continuasse no meio do trigo, assim, Ele que é o grande semeador, saberá no momento oportuno, fazer a separação.

Façamos a nossa parte, muitas vezes encontramos pessoas perdidas, sem razão de viver, procurando nas coisas “passageiras”, nas coisas “volúveis” razão de viver.

você caro leitor, sei que você é trigo, continue semeando as coisas boas, os bons valores, muitos “joios”podem se sensibilizar com o seu exemplo, seu testemunho de vida e suas ações falarão mais que suas palavras.

Bem, queridos(as), espero que tenham gostado da nossa parábola de hoje, essa parábola de hoje foi indicada pela Fátima Santana.

Amanhã continuaremos nossa partilha.

Deus os abençoe.

Fabiana Paula.