A caridade, prática quaresmal!

março 18, 2009
Onde não há caridade, nada subsiste. Nosso Senhor detesta as almas egoístas, Ele se retira das almas sem caridade

"Onde não há caridade, nada subsiste. Nosso Senhor detesta as almas egoístas, Ele se retira das almas sem caridade".

Continuando nossa reflexão sobre o tempo quaresmal, gostaria de partilhar com vocês sobre outra prática que a igreja nos convida: A Esmola.
Já falamos sobre o jejum e entrando na esmola veremos que Por esmola entendemos a caridade, com todas as suas variantes e implicações. De fato, a caridade “apaga a multidão dos pecados” (cf 1Pd 4,8); ela é sinal da autenticidade da nossa fé em Deus e a expressão mais coerente do seguimento de Jesus.

 “Quem não ama, permanece na morte pois, como é possível dizer que se ama a Deus, que não se vê, se não se ama o próximo, que é filho de Deus?” (cf 1Jo 4,20). No Brasil, a Campanha da Fraternidade, cada ano, dedica especial atenção a um grupo social especialmente necessitado de atenção e solidariedade e ajuda a rever nossa conduta pessoal e comunitária e a exercer-nos na caridade fraterna. (D.Odilo Pedro Sherer – Bispo Auxiliar de São Paulo).

Como tem sido a prática da esmola e os atos de caridade?

Muitas vezes damos dinheiro por “desencargo” de consciência, damos uns “trocados” a algum mendigo e pensamos que assim fizemos nossa parte como “bons cristãos”.

Mas, o Nosso Senhor nos pede muito mais, atos de caridade, que vão além de moedas ofertadas, Jesus nos pede para sairmos de nós mesmos, de nossos egoísmos e irmos ao encontro do outro. Faz o bem sem ver a quem, sem esperar nada em troca, pequenos gestos de gentileza, um bom dia, um aceno, uma delicadeza, falar com todos, ser cordial com todos, pedir e dar perdão.

Isso agrada muito, muito o Nosso Senhor!

Façamos esse propósito nesse tempo maravilhoso da quaresma e depois colhamos os frutos do bem que foi plantado.
Abraço fraterno,
Fabiana Paula.


O jejum que agrada a Deus

março 8, 2009
A melhor oração é amar...

A melhor oração é amar...

Olá amados em Cristo, Paz e Bem!
Concluindo algumas matérias que postei sobre o Jejum, gostaria de partilhar com vocês um lindo texto do livro do Profeta Isaías que fala do jejum que agrada a Deus.
Sabemos que o jejum é uma forma de nos ligarmos a Deus e nos santificarmos e na verdade Deus não precisa do nosso jejum, porque Deus é Deus, mas nós é que precisamos jejuar para criarmos em nós a disciplina e o autodomínio. Leiamos esse lindo texto e medite palavra por palavra, pois nosso jejum “alimentar”, não vale de nada, se em nós não há um verdadeiro e reto propósito de sermos mais e mais de Deus.
Um abraço fraterno e uma ótima semana a todos.
Fabiana Paula.

O jejum que agrada a Deus (Isaías 58, 5-11)

“O jejum que me agrada porventura consiste em o homem mortificar-se por um dia? Curvar a cabeça como um junco, deitar sobre o saco e a cinza? Podeis chamar isso um jejum, um dia agradável ao Senhor?
Sabeis qual é o jejum que eu aprecio? – diz o Senhor Deus: É romper as cadeias injustas, desatar as cordas do jugo, mandar embora livres os oprimidos, e quebrar toda espécie de jugo.
É repartir seu alimento com o esfaimado, dar abrigo aos infelizes sem asilo, vestir os maltrapilhos, em lugar de desviar-se de seu semelhante.
Então tua luz surgirá como a aurora, e tuas feridas não tardarão a cicatrizar-se; tua justiça caminhará diante de ti, e a glória do Senhor seguirá na tua retaguarda.
Então às tuas invocações, o Senhor responderá, e a teus gritos dirá: Eis-me aqui! Se expulsares de tua casa toda a opressão, os gestos malévolos e as más conversações;
se deres do teu pão ao faminto, se alimentares os pobres, tua luz levantar-se-á na escuridão, e tua noite resplandecerá como o dia pleno.
O Senhor te guiará constantemente, alimentar-te-á no árido deserto, renovará teu vigor. Serás como um jardim bem irrigado, como uma fonte de águas inesgotáveis”.


Tipos de Jejum

março 6, 2009

pao-caseiro

Olá amados em Cristo!

Continuando nosso estudo sobre jejum, trago uma breve explicação, para vários tipos de jejum, texto extraído do livro “Práticas de jejum”, do Padre Jonas Abib.

Deus abençoe a todos.

Fabiana Paula.

Jejum da Igreja
Assim é chamado o tipo de jejum prescrito para toda a Igreja e que, por isso, é extremamente simples, podendo ser feito por qualquer pessoa.

 Alguém poderia pensar que esse seja um jejum relaxado ou que nem seja realmente jejum, porque ele é muito fácil. Mas não é bem assim.

 Esse modo de jejuar vem da Tradição da Igreja e pode ser praticado por todos sem exceção, sendo esse o motivo porque é prescrito a toda a Igreja.

O básico desse tipo de jejum é que você tome o café da manhã normalmente e depois faça apenas uma refeição – almoçar ou jantar -, a depender dos seus hábitos, de sua saúde e de seu trabalho. A outra refeição, a que você não vai fazer, será substituída por um lanche simples, de acordo com as suas necessidades.

 Dessa maneira, por exemplo, se você escolher o almoço para fazer a refeição completa, no jantar faça um lanche que lhe dê condições de passar o resto da noite sem fome.

 O conceito de jejum não exige que você passe fome. Em suas aparições em Medjurgorje, a própria Nossa Senhora o repetiu várias vezes. Jejuar é refrear a nossa gula e disciplinar o nosso comer.

O importante, e aí está a essência do jejum, é a disciplina, e é você não comer nada além dessas três refeições. O que interessa é cortar de vez o hábito de “beliscar”, de abrir a geladeira várias vezes ao dia para comer “uma coisinha”. Evitar completamente, nesse dia, as balas, os doces, os chocolates e os biscoitos. Deixar de lado os refrigerantes, as bebidas e os cafezinhos.

Para quem é disciplinado – e muitos de nós o somos -, isso é um jejum, e dos “bravos”! Nesse tipo de jejum, não se passa fome. Mas como “a gente” se disciplina; como refreia a gula! E é esta a finalidade do jejum.

Qualquer pessoa pode fazer esse tipo de jejum, mesmo os doentes, porque água e remédios não quebram jejum. Se for necessário leite para tomar os remédios, o jejum não é quebrado, pois a disciplina fica mantida. Para o doente e para o idoso, disciplina mesmo talvez seja tomar os remédios e tomar corretamente.

Jejum a pão e água
Nesse segundo tipo de jejum, deve-se comer pão quando se tem fome e beber água quando se tem sede.
Não se trata de comer pão e beber água ao mesmo tempo. Pelo contrato: é preciso evitar isso. Nosso tipo de pão, quando comido com água, geralmente fermenta no estômago, provocando dor de cabeça.

Jejum à base de líquidos
O terceiro tipo de jejum requer que você passe o dia sem comer nada, limitando-se a tomar líquidos. Ou seja, durante todo o seu dia de jejum, você se alimenta somente com líquidos. Essa é uma modalidade muito boa de jejum, que refreia a nossa gula e garante a nossa disciplina.

Jejum completo
Nesse quarto tipo de jejum, não se come coisa alguma e só se bebe água.
No jejum completo, é fundamental beber várias vezes ao dia. Não é bom fazer jejum a seco, isto é, sem tomar água, especialmente quando não se tem um bom treinamento.


O Jejum de Daniel

março 5, 2009
Profeta Daniel (Obra de Michelangelo).

Profeta Daniel (Obra de Michelangelo).

Continuando nossa partilha sobre quaresma e jejum, trago até vocês outra forma de jejuar. O profeta Daniel, para aproximar-se de Deus, jejuava e oferecia sacrifícios ao Senhor. Vamos conhecer um pouco mais sobre o jejum de Daniel.
Deus abençoe a todos.
Fraternalmente,
Fabiana Paula.

“Naqueles dias eu, Daniel, estava pranteando por três semanas inteiras. Nenhuma coisa desejável come, nem carne nem vinho entraram na minha boca, nem me ungi com ungüento, até que se cumpriram as três semanas completas.” (Dn 10, 2-3)A passagem acima descrita, tirada do livro de Daniel, é o exemplo clássico de um “jejum parcial”, realizado em meio às atividades do dia-a-dia, com o propósito de alcançar de Deus a revelação de sua vontade. Chamamos “jejum parcial” porque consiste na aplicação de uma dieta limitada, ao invés da abstinência absoluta de alimentos. Está claro que existe um valor muito grande neste tipo de jejum. Lendo os versículos seguintes deste capítulo de Daniel, verificamos que o culminar deste jejum foi uma tremenda visitação do anjo do Senhor com uma revelação indispensável a respeito das batalhas que se travam nas regiões celestes (versículos 13-22).
Além disso, o próprio Senhor, em sua visita a Daniel, assegura com palavras encorajadoras a eficácia de seu jejum e penitência:
“Não temas, Daniel, porque desde o primeiro dia em que aplicaste teu espírito a compreender, e em que te humilhaste diante de teu Deus, tua oração foi ouvida, e é por isso que Eu vim.” (v. 12). Aleluia! Quando nós somos movidos pela promessa de Deus e numa atitude que o agrada, começamos a transformar esta promessa em realidade no jejum e na oração; no momento em que nosso coração se humilha e busca a face do Senhor,
nossas palavras são ouvidas no céu.
Daniel dedicou três semanas completas (vinte e um dias) ao jejum e à oração. O tempo dedicado ao jejum é reservado para buscar o Senhor, mesmo em meio às atividades cotidianas.
Somos convocados a intensificar nossa comunhão com o Senhor.
Segundo o desejo de Jesus, devemos fazer isto sem ostentação, mas com discrição e buscando agradar somente ao Pai. Outro fator importante em um tempo de jejum é o propósito que nos move a fazê-lo.
Um jejum sem propósito definido é como vagar num túnel escuro, sem se saber de onde vem ou para onde vai.
Olhando as Sagradas Escrituras, encontraremos muitas razões que levaram as pessoas ao jejum. Se vamos jejuar,
teremos que ter objetivos firmes e claros pelos quais lutar:
estar com Deus; receber sua Palavra; interceder; enfrentar satanás e suas tentações.
Como faremos nosso Jejum?
Por três semanas (vinte e um dias), a contar de 3 a 23 de fevereiro, ou outra data escolhida livremente, somos convocados a um jejum parcial.
Será um tempo de maior oração e dedicação ao Senhor.
Durante este tempo, evitaremos alimentos pelos quais buscamos mais saciar nosso gosto do que as necessidades reais do nosso organismo (doces, refrigerante, excesso de frituras ou outros alimentos que constituam hábitos alimentares aos quais estejam apegados).
Aos que tiverem condições, escolher entre duas opções: ou iniciar a alimentação diária só a partir das 12h, ou simplesmente cortar uma das refeições do dia.
Cuidado somente para não “descontar” na próxima refeição para compensar o que foi omitido.
Roteiro para a oração pessoal nos dias de jejum:

1°dia:03/02-Ore o sal. 15 e tome posse da herança que o Senhor reservou para você.
2°dia:04/02-Ore o sal. 19 e levante bandeiras de vitória na sua vida, em nome do Senhor.
3°dia:05/02-Ore o sal. 23 e deixe entrar o Rei da Glória na sua vida e na sua casa.
4°dia:06/02-Ore o sal. 33 e prove como o nosso Deus é bom.
5°dia:07/02-Ore o sal. 56 e mantenha o seu coração firme em meio às dificuldades.
6°dia:08/02-Ore o sal. 31 e receba o maravilhoso perdão que Deus tem para você.
7°dia:09/02-Ore o sal. 85 e creia que o Senhor ouve você nos dias de angústia.
8°dia:10/02-Ore o sal. 102 e bendiga o Senhor que afasta de nós os nossos pecados.
9°dia:11/02-Ore o sal. 26 e vença todo medo com a luz e a salvação que vem do Senhor.
10°dia:12/02-Ore o sal. 29 e exalte o Senhor que livra você de todos os males.
11°dia:13/02-Ore o sal. 114 e declare o seu amor e gratidão ao Senhor.
12°dia:14/02-Ore o sal. 24 e volte seus olhos só para o Senhor seus caminhos.
13°dia:15/02-Ore o sal. 83 e encontre um abrigo seguro junto ao coração de Deus.
14°dia:16/02-Ore o sal. 53 e declare que o Senhor já está vindo em seu auxílio.
15°dia:17/02-Ore o sal. 120 e creia: o seu socorro vem somente do Senhor.
16°dia:18/02-Ore o sal. 148 e louve o nome santo do Senhor com toda a criação.
17°dia:19/02-Ore o sal. 125 e creia na promessa: você colherá frutos de alegria.
18°dia:20/02-Ore o sal. 146 e adore o Senhor que cura o seu coração ferido.
19°dia:21/02-Ore o sal. 137 e cante ao Senhor na presença dos seus anjos.
20°dia: 22/02 – Ore Lc 1.46-55 e engrandeça o Senhor de todo o seu coração.
21°dia :23/02-Ore Ef 1. 3-12 e creia: Você já recebeu todas as graças e Bênçãos do céu em Jesus. Amém!