Antipatias gratuitas

outubro 30, 2014

antipatias gratuitas

O que lhe faz antipatizar alguém?

 Dar um passo na superação das antipatias gratuitas é um caminho fantástico de libertação. Não podemos expor as pessoas ao nosso desamor. É um pecado contra a caridade, contra o amor ao próximo.

Há uma pergunta que é importante ser feita:

O que eu já alcancei do meu cristianismo? O que em mim ainda não é parecido com Jesus?

Que não seja uma obrigação, mas uma decisão, uma obediência livre e uma consequência da minha decisão de ser cristão.

Vamos ver o que a psicologia nos diz sobre como funciona uma antipatia.

“Em geral, o comportamento do outro nos remete a algo ou alguém que não nos fez bem. A antipatia, nesse caso, é um mecanismo de alerta e defesa que nos faz dar um passo atrás, ficar espertos e observando o outro”, a antipatia será mais forte quanto mais desagradável tiver sido a experiência do passado. “E pode estar também relacionada a valores diferentes dos nossos. Se eu cultivar a humildade, por exemplo, vou me incomodar com pessoas esnobes. Essas diferenças podem dar espaço para que nasça a antipatia”, diz  a psicóloga Daniela Levy em um artigo para a revista UOL. Se eu falar alto e rápido, ao ouvir alguém que fale baixo e lentamente irei ficar incomodada com aquela postura.

Em outros casos, “Se conhecermos pessoas com físico ou jeito que nos lembra de alguém do passado que não nos proporcionou uma experiência positiva, projetaremos sentimentos negativos sobre ela que, às vezes, nem é desse jeito” diz Daniela Levy.

Pessoas tímidas muitas vezes são rotuladas de arrogantes. Essas pessoas costumam ser mais isoladas, não conversam, passam essa impressão errada. Por isso, vale a pena criar uma oportunidade para mudar de ideia.

Há casos também que a antipatia o ciúme, a inveja, ou aquele defeito que ela tem me incomoda porque eu tenho também a mesma limitação e olhar alguém assim me lembra de quem eu sou de verdade. Amar sem esperar nada em troca é o grande desafio do cristianismo.

Eu já fui vítima de antipatias gratuitas, de vez em quando alguém partilha comigo que não ia com a minha cara, me achava chata, metida, sonsa. Mas eu também já julguei outras pessoas, agindo com pré-conceitos, dizendo inverdades de outras pessoas, submetendo-as ao meu julgamento antecipado. Hoje estou mais atenta a detectar quando lanço meu juízo ao outro e tento me aproximar das pessoas para que também elas me conheçam e parem de “pensa e achar” quem eu sou e me conheçam de verdade com minhas limitações e minhas qualidades.

Um grande erro é o “achismo” eu acho isso, eu acho aquilo, ou então “na minha opinião”. Como podemos achar algo de alguém, quando não conhecemos esse alguém? Como atribuir defeitos a alguém que eu nunca nem conversei? Lembrei-me de uma frase do Pe.Fábio de melo bem interessante: “Você sabe quem é você, alguns poucos lhe conhecem. A maioria lhe imagina.” Então, essa “imaginação”, destrói muitas vezes a beleza e a grandeza do outro. Perdemos a oportunidade de crescermos como pessoa e fazermos novas amizades.

E com certeza colocar diante de Deus esse mal estar, esse sentimento negativo de de repúdio ao outro que não fez absolutamente nada contra você e um exercício a ser feito sempre. Rezar pela pessoa, colocá-la diante de Deus, pedir a graça ao Espírito Santo. Santa Teresinha nos ensina: “Ah! agora compreendo que a caridade perfeita consiste em suportar os defeitos dos outros e em não se admirar de suas fraquezas”.

Santa Teresinha também viveu a problemática de antipatizar alguém, Havia uma irmã no Carmelo que tinha o “dom” de desagradar em tudo a Teresa. A tática de Teresinha era estar na ofensiva do bem. Não se contentava em evitar as manifestações exteriores de sua antipatia natural, — digamos: “de suas impressões egoístas”. Para vencer-se realmente, vai ao extremo das manifestações de simpatia e de afeição. De fato, essa tática não é somente a mais eficaz, e a mais fácil, a única que dá à alma entusiasmo e alegria: alegria do amor plenamente satisfeito. A vitória foi completa, tão completa, que uma de suas irmãs de sangue, Maria, a mais velha, que também era carmelita queixou-se de que ela amava mais a religiosa em questão do que a ela e suas irmãs, chegou a crer-se que era sua melhor amiga. É assim que combatem os santos. Podemos, pois, crer em Teresa quando nos comunica sua descoberta:

“Apliquei-me — diz ela — a fazer por essa Irmã o que faria pela pessoa mais amada. Cada vez que a encontrava rezava por ela, mas não me contentava com isso, procurava prestar-lhe todos os serviços possíveis — e quando era tentada a responder-lhe de modo desagradável, apressava-me em dar-lhe meu mais amável sorriso. 

Isso não era falsidade ou hipocrisia, mas a luta pela vivência evangélica!

Peçamos ao Senhor a graça de nos relacionarmos bem uns com os outros e estarmos atentos e dispostos a crescermos e evoluirmos nos gestos de caridade fraterna e deixa cair por terra primeiras impressões que assassinam a verdade do outro.

Deus os abençoe e sigamos firmes na estrada de Jesus.

Fraternalmente,

Fabiana Paula

Anúncios

“É preciso pensar bem de todos, falar bem de todos e querer bem a todos”! (Dom Bosco)

maio 16, 2014

bem

Hoje me veio à lembrança essa frase de Dom Bosco que aprendi da boca do Padre Jonas Abib. Num mundo com tanta maldade, onde cada um cada vive por si mesmo e não está preocupado com nada que não lhe traga benefícios, é difícil entender essa frase, pois ela soa como imprópria, uma utopia ou até mesmo como uma bobagem, coisa de gente “otária” que leva sempre a pior.

Na verdade aí vejo que Dom Bosco quis nos convidar a um esforço diário. Todo dia nas nossas ações devemos filtrar bem aquilo que alimentamos no nosso pensamento, na nossa língua e no desejo para com o outro. Quanta gente perde seu tempo preciso alimentando ressentimentos e mágoas ou preocupado com a vida dos outros, disseminando o mal e o negativismo, sujando a imagem dos outros e esquece-se de viver bem sua vida, descartando os lixos que apodrecem nossa alma e nos tornam pessoas amargas, azedas, insuportáveis.

Dom Bosco escreveu essa frase porque experimentou em sua própria vida o desafio da boa convivência e ele escreveu que “é preciso”, ou seja, é necessário empenhar-se no bem de todos, isso não significa dizer que você precise ter uma convivência próxima com todos, você tem todo o direito de partilhar sua vida e privacidade com quem você escolher e quiser  e não tem obrigação de estar junto de pessoas que não somam nada em sua vida e não querem seu bem. Mas, também isso não significa dizer que você queira o mal para a vida delas, que as julgue e espalhe o veneno da maledicência, destruindo a imagem do outro.

A vida passa rápido demais, aproveite seu tempo e como nos disse São Paulo: “Enquanto temos tempo façamos o bem a todos”(Gal 6.10), a verdade é que tudo vai passar e a única coisa que permanecerá será o AMOR!

“O tempo urge, a eternidade nos espera”! (São João Paulo II)

Fraternalmente,

Fabiana Paula


Decida-se pelo amor!

fevereiro 20, 2014

Linda mensagem do Monsenhor Jonas Abib. Tocou meu coração, espero que toque o de vocês também!

Fraternalmente,

Fabiana Paula

amor

Decida-se pelo amor

Muitos não têm a coragem de amar, porque já sofreram muito, seja na família, no casamento etc. Talvez você já tenha sofrido e, é claro, não quer passar por essa situação novamente. Por isso, deixou de amar para não sofrer. Independente dos acontecimentos, é no amor que está a salvação para você. É no amor-doação que as pessoas com quem você se relaciona serão salvas.

Apesar das decepções e dos problemas familiares, ame. Decida-se pelo amor! Não são apenas os jovens que precisam despertar para o amor; há muito adulto, muita gente casada que precisa redescobrir a graça de amar.

Quantas pessoas guardaram decepções! Quantas pessoas curtiram revoltas no coração! Quantas são vítimas da própria revolta com um pai alcoólatra, irresponsável, ausente, infiel, bruto, autoritário… Quantas pessoas, decepcionadas com a família, já não são capazes de amar.

Amar é vida. Não amar é morte. É preciso reaprender a amar. Problemas existem e adoecem o coração, mas não é por isso que você não vai amar. Deus lhe dá a capacidade de amar, mas se decidir a amar depende de você. Se você se decidir pelo amor, tudo vai mudar na sua vida.

O mundo é de quem ama. Quem não ama permanece na morte.

Seu irmão,

Monsenhor Jonas Abib


A última corda

janeiro 13, 2014

paganini

Era uma vez um grande violinista chamado Paganini. Alguns diziam que ele era muito estranho. Outros, que era sobrenatural. As notas mágicas que saíam de seu violino tinham um som diferente, por isso ninguém queria perder a oportunidade de ver seu espetáculo.

Numa certa noite, o palco de um auditório repleto de admiradores estava preparado para recebê-lo. A orquestra entrou e foi aplaudida. O maestro foi ovacionado. Mas quando a figura de Paganini surgiu, triunfante, o público delirou. Paganini coloca seu violino no ombro e o que se assiste a seguir é indescritível. Breves e semibreves, fusas e semifusas, colcheias e semicolcheias parecem ter asas e voar com o toque daqueles dedos encantados.

De repente, um som estranho interrompe o devaneio da platéia. Uma das cordas do violino de Paganini arrebenta. O maestro parou. A orquestra parou. O público parou.

Mas Paganini não parou.

Olhando para sua partitura, ele continua a tirar sons deliciosos de um violino com problemas. O maestro e a orquestra, empolgados, voltam a tocar. Mal o público se acalmou quando, de repente, um outro som perturbador derruba a atenção dos assistentes. Uma outra corda do violino de Paganini se rompe. O maestro parou de novo. A orquestra parou de novo.

Paganini não parou.

Como se nada tivesse acontecido, ele esqueceu as dificuldades e avançou, tirando sons do impossível. O maestro e a orquestra, impressionados voltam a tocar. Mas o público não poderia imaginar o que iria acontecer a seguir. Todas as pessoas, pasmas, gritaram OOHHH! Que ecoou pela abobada daquele auditório. Uma terceira corda do violino de Paganini se quebra. O maestro pára. A orquestra pára. A respiração do público pára.

Mas Paganini não para.

Como se fosse um contorcionista musical, ele tira todos os sons da única corda que sobrara daquele violino destruído. Nenhuma nota foi esquecida. O maestro empolgado se anima. A orquestra se motiva. O público parte do silêncio para a euforia, da inércia para o delírio.

Paganini atinge a glória.

Seu nome e sua fama atravessam o tempo. Não apenas como um violinista genial, mas como símbolo do profissional que continua, mesmo diante do aparentemente impossível.

Essa história nos ensina o valor da dedicação, da persistência e do profissionalismo e acima de tudo da perseverança, mesmo quando as coisas parecem não estar bem e parece que tudo está dando errado não devemos parar nem desistir. Mesmo quando nos sentimos limitados , podemos dar nosso 100% na nossa limitação e coisas lindas podem surgir diante das impossibilidades e fragilidades assim como aconteceu com Paganini.

Fraternalmente,

Fabiana Paula


A inveja musical, veneno que corrói nosso ministério!

janeiro 9, 2014

Hoje quero partilhar com vocês sobre um tema muito adequado e pertinente para nós músicos que é a inveja. O inimigo nos bombardeia e nos tenta com muita força para que sintamos inveja e abramos as portas para todos os outros pecados que acompanham essa “cruel mamãe”.

inveja

A inveja é um vício capital. Designa a tristeza sentida diante do bem do outro e do desejo imoderado de sua apropriação, mesmo indevida. Quando deseja um mal grave ao próximo, é um pecado mortal: “Santo Agostinho via na inveja o pecado diabólico por excelência. Da inveja nascem o ódio, a maledicência, a calúnia, a alegria causada pela desgraça do próximo e o desprazer causado pela sua prosperidade.” (São Gregório Magno)” (CIC 2539)

Na música ouvimos com frequência os seguintes murmúrios:

– Porque ela está cantando e não eu… Eu canto muito melhor…

– Esse cara não toca a metade do que eu toco e ninguém me chamou…

Que triste é saber que alguns se alegram quando veem um irmão desafinar, sentem um prazer em ver o constrangimento de um erro do outro. Algumas vezes risinhos e olhares quando a banda erra, o cantor erra, esquece a letra ou desafina e isso é motivo de alegria para alguns invejosos.

A inveja na música se dá muitas vezes quando vemos um dom especial no outro, uma qualidade, um potencial, uma vitória conquistada e isso nos entristece, nos incomoda, porque queríamos ter esse “dom especial”, quantos se enfurecem com os elogios e aplausos recebidos pelos outros pois o invejoso quer ser sempre o centro das atenções e odeia ficar de “coadjuvante” na história. Já vi pessoas tendo quase um “surto”, quase uma “crise de abstinência” musical porque tiveram que dividir o “palco”, ou melhor, sair um pouco de cena e deixar o outro “aparecer”. Tem gente que passa “cola” no microfone e não quer dividir com o outro.

A inveja é um dos sete pecados capitais, a palavra “Capital” vem do latim “Caput” que significa cabeça, então ela é a mãe de muitos outros como o ciúme, a fofoca, a mentira, a cobiça, a discórdia e a murmuração, por exemplo. Na tristeza pelo bem do outro, muitos iniciam uma luta contra o seu potencial “inimigo” gastando seu tempo precioso observando a vida do outro e espalhando seu veneno com difamações, sujando e denegrindo a imagem do outro, e o veneno é jogado de forma sutil e em pequenas doses. Pequenos comentários com um e com outro e o joio começa a ser lançado. De repente, quando menos se imagina um boato é espalhado e uma pessoa é manchada em sua dignidade.

Cuidado com o que comenta, com o que publica, com o que pensa ou imagina, pois muitas vezes você pode estar errado, cego pela inveja cria uma imagem totalmente distorcida de alguém e faz com que outros acreditem em sua inverdade. Um dos piores assassinatos é o da imagem do outro. Já aconteceu comigo, fui elogiar determinado músico e alguém me disse, “Ah, você diz isso porque não o conhece, ele é isso, isso, isso…” Fiquei perplexa e quase acreditei, um dia conheci a pessoa e vi que não era bem assim, bom, todos temos limitações, mas não era da forma como  me disseram.

O que fazer quando a inveja vem ao coração?

Sentir inveja no primeiro momento não necessariamente é pecado, pois todos nós sentimos em certas ocasiões de nossa vida, mas apenas o consentimento com esse sentimento, já abre o coração para o pecado. Alimentar essa inveja, deixar que ela entre, dar “asas a imaginação” é abrir as portas não só para a inveja, mas para toda a sua família.

Há um exercício que é difícil a princípio, mas depois vai se tornando mais fácil. Agradecer a Deus pelo dom do outro que eu não tenho, pois Deus não nos fez todos iguais, Deus tem e distribui uma diversidade de dons aos seus filhos e isso é lindo pois assim precisamos uns dos outros, ninguém é completo(por mais que alguns pensem que são), ninguém sabe fazer tudo e isso é muito importante. Para que você vença a tentação da inveja, a cura passa por um meio principal e fundamental que é a oração de AÇÃO DE GRAÇAS. Ela destrói o plano do maligno e faz justamente o contrário do que foi arquitetado pelo diabo. Ação de Graças, vem do grego Eucaristia(agradecer). Em grego obrigada se diz “Eυχαριστώ / Eukaristó”. Faça esse exercício, mesmo sem vontade, mesmo com o coração fechado, vale a pena, aos poucos o Espírito Santo vai quebrando e derretendo o gelo e o sentimento de inveja e tristeza pela vitória do outro vai passando.

Ele quer o povo de Deus desunido, competindo e em constante tensão. E nós queremos usar nossos dons para maior glória de Deus, por isso rezamos e torcemos pelo bem do outro. Devemos estar solidários quando o outro errar, dando força e apoio. Se você vê que tem muita gente cantando em “tal lugar” vá para outro que não tem ninguém, se não te chamaram para “tal lugar”, vá para aquele lugar distante e pobre que te chamaram, que precisa de sua evangelização, onde o povo tem sede e fome de Deus e você será muito útil. Para que querer ter fama e ser reconhecido pelas pessoas, quem deve ser amado e reconhecido é Jesus Cristo, você é apenas um portador da mensagem do Evangelho. Pare de olhar a vida outro do outro, seus projetos musicais, seus sucessos e bons êxitos. Reze e faça seus projetos mas não para aparecer, mostrar trabalho ou “dar o troco” e sim para fazer a vontade de Deus. Com todo carinho e amor, cuide de sua própria vida e verá que será fantástico, será uma libertação! Se for para entrar na vida do outro que seja para somar, para o bem do irmão, caso contrário não vale a pena.

Fico boba como tem pessoas que perdem seu tempo criticando cantores e bandas. Acho uma bobagem ficar escrevendo comentários negativos no you tube e em outras redes sociais. Vejo que há uma infinidade de pessoas que perdem seu tempo precioso criticando, ridicularizando e ofendendo bandas e cantores. Tem pessoas que abrem grupos em redes sociais para falar mal de tal ou tal cantor ou banda. Porque não abre um grupo para divulgar o cantor ou banda que você gosta ou que tem belas canções que tocam seu coração? É muito mais inteligente!

Pare de olhar para o quintal do vizinho e ficar invejando um quintal lindo, cheio de flores, árvores frutíferas, capim cortado e até uma linda horta, quando o seu está sujo e sem vida. Volte-se para seu quintal e mãos a obra. Cuide com amor do seu quintal, sem querer competir com o do seu vizinho, cuide do que é seu porque lhe foi confiado para que você administre. Plante flores, árvores, decore e verá como ficará lindo. Assim terão muitos quintais lindos, perfumados e todos sairão ganhando com uma rua, um bairro, uma cidade, um país bonito e bem cuidado.

inveja 1

Multiplique o seu talento sem se preocupar com o talento do outro. Aprenda a dividir também, a silenciar e deixar o outro cantar e tocar. Não se apegue a um microfone ou a um instrumento musical, pois seu ministério é muito mais que isso: É partilha, solidariedade, amor, respeito, tolerância, é coerência com a proposta do Evangelho. Todas as vezes que a inveja bater a sua porta, mande-a embora com a oração de ação de graças.

“Tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama… Se alguma virtude há, seja isso que ocupe o vosso pensamento.” (Filipenses 4.8)

Rezemos juntos:

Muito obrigado Senhor pelo dom do meu irmão (ã) que eu não tenho pela oportunidade dada a ele que ainda não chegou até mim. Agradeço-te pela vida e pelo dom do meu irmão (ã), mas também pelos dons que me destes, não quero esquecer dos talentos que me destes e pelas minhas qualidades e habilidades. Eu quero sempre me alegrar com o meu bem, mas de forma especial com o bem do outro e que a cada dia ele (ela) seja mais feliz e multiplique os talentos recebidos para maior glória e honra do Reino de Deus.

obrigado senhor

Fraternalmente,

Fabiana Paula


Músicos segundo o coração de Deus: Profeta entre as nações!

outubro 12, 2013

globo terrestre

“Foi-me dirigida nestes termos a palavra do Senhor: Antes que no seio fosses formado, eu já te conhecia; antes de teu nascimento, eu já te havia consagrado, e te havia designado profeta das nações. E eu respondi: Ah! Senhor JAVÉ, eu nem sei falar, pois que sou apenas uma criança. Replicou, porém o Senhor: Não digas: Sou apenas uma criança: porquanto irás procurar todos aqueles aos quais te enviar, e a eles dirás o que eu te ordenar.  Não deverás temê-los porque estarei contigo para livrar-te – oráculo do Senhor. E o Senhor, estendendo em seguida a sua mão, tocou-me na boca. E assim me falou: Eis que coloco minhas palavras nos teus lábios”.  (Jer 1.4-9)

Continuando nossa série de formação para músicos, vamos hoje meditar um texto que muito me encanta e fala muito ao meu coração:  O profetismo. O primeiro ponto na leitura do texto do livro do profeta Jeremias é o chamado de um jovem, como ele mesmo diz “um menino” , “uma criança”, para uma missão de muita responsabilidade: Ser Profeta e anunciar aos povos sua mensagem. Esse convite o deixou como que desesperado e preocupado, ou seja, ainda tinha muito que aprender, sentia-se despreparado, imaturo e com medo da grandeza da missão que lhe estava sendo confiada.

Mas o Senhor o tranquiliza dizendo que desde que no ventre de sua mãe fosse concebido Ele já o conhecia, já o havia escolhido para ser profeta entre as nações.

Podemos então nos colocar como o profeta Jeremias, diante do nosso dom musical, como o nome já diz é um dom, um presente de Deus, foi o Senhor que desde o ventre materno nos escolheu e nos deu o dom da música. É lindo saber que foi o senhor que nos escolheu, nos amou e convidou para a missão evangelizarmos através da música.

Muitas vezes nos sentimos como Jeremias diante da missão que Deus nos confia. Olhando a responsabilidade de sermos bons músicos, coerentes com nossa fé e com o que cantamos e tocamos, vem o medo e a sensação de incapacidade. Será que consigo? Será que estou preparado? Será que serei bem sucedido? Porque nós, assim como o profeta somos crianças, crianças na fé e muitas vezes no entendimento do projeto de Deus e diante de uma missão exigente, muitas vezes queremos recuar, voltar a atrás, dizer não.

Eu mesma posso testemunhar o quanto Deus tem operado em minha vida. Muitas vezes estou no palco e alguns pensam que lá é um lugar de glamour, um status, mas na verdade é um lugar de missão, pois em vários momentos estou ali somente fortalecida no Senhor, quantas vezes passando por um momento difícil, quando a vontade é não ir em missão, ficar dentro da minha “bolha”, de área de conforto e viver as crises e a dificuldade bem distante de todos. Mas, qual foi a ordem e a promessa que o Senhor fez ao profeta Jeremias e que se estende a todos nós?

“Eu te envio como Profeta entre as nações”!

E o profeta é aquele que anuncia. Anuncia o Reino de Deus, o amor de Deus que é infinito e rico em misericórdia, anuncia que para seguir Jesus é necessário renunciar a nós mesmos, carregar todo dia nossa cruz e seguir junto com o Mestre na caminhada. Ser profeta é ir contra a maré do capitalismo selvagem, do ter, ser, possuir, da sede de grandezas, da cobiça que nos cega e nos faz perder a essência de sermos todos irmãos. Ser profeta é dizer não ao relativismo, ao aborto, as doutrinas que nos fazem perder nossa fé, que é nosso maior tesouro. Ser profeta é jogar fora o que nos escraviza e vicia o que nos torna fracos e dependentes. Ser profeta é dizer sim aos valores cristãos, a família e gritar bem alto que vale a pena ser de Deus, viver a castidade, a pureza e uma vida de honestidade e ética.

E quero concluir dizendo que você músico é esse grande profeta entre nações. Deus te deu voz e instrumento para ecoar nesse mundo tão carente de uma palavra de conforto, de uma palavra amiga, verdadeira, sem segundas intenções. Quando você fraquejar, pecar, desanimar, sentir-se fraco e sem forças, lembre-se da palavra do Senhor ao profeta Jeremias, ela é para você também:

“Porquanto irás procurar todos aqueles aos quais te enviar, e a eles dirás o que eu te ordenar.  Não deverás temê-los porque estarei contigo para livrar-te – oráculo do Senhor. E o Senhor, estendendo em seguida a sua mão, tocou-me na boca. E assim me falou: Eis que coloco minhas palavras nos teus lábios”.

Vamos rezar juntos:

Senhor, nosso querido e amado Deus, queremos nesse momento agradecer em primeiro lugar pelo dom, pelo chamado ao ministério de música. Pedimos força, coragem, discernimento e sabedoria para que possamos conduzir e servir da melhor maneira. Sempre obedientes a ti, ao teu chamado e que nunca esqueçamos do verdadeiro sentido da nossa vocação.

Muito obrigado Senhor!


QUEM FOFOCA DESFOCA!

janeiro 30, 2013

Image

“Qual é o homem que deseja a vida…?”

“È aquele que guarda sua língua do mal e seus lábios da falsidade”.

(Salmo 34.13-14)

Essa semana vi essa frase e fiquei meditando na sabedoria de quem a escreveu. Pensando no que seria algo desfocado.

Segundo o dicionário informal on-line, “desfocar” significa: Tirar a atenção, querer omitir algo, Tirar do foco; manter fora das atenções principais.

Realmente a fofoca macula, mancha e embaça qualquer tipo de relacionamento. Em minha caminhada tenho me deparado com situações e momentos propícios para a fofoca. Sabe quando nos sentimos injustiçados, sabe quando bate aquela inveja do sucesso do outro, do crescimento do outro e quando achamos que nós é que deveríamos estar desfrutando daquela alegria. Sabe quando alguém está feliz e nós infelizes e quando nossas frustrações vem a tona. Daí não aguentamos e começamos a “detonar” com o outro. Sabe quando a alegria do outro está incomodando, daí encontramos defeitos, procuramos imperfeições e com certeza uma das coisas mais tristes é se alegrar com a queda do outro e se entristecer com suas vitórias.

A fofoca “desfoca”, porque tira nosso foco, nos faz querer o mal do outro. Quantos casamentos, relacionamentos, amizades de longos anos foram desfeitas por Palavras venenosas que trouxeram discórdia e semearam o joio.

A ausência é amiga da fofoca e quando o outro não está para se defender é muito fácil dizer o que quiser. Tem um ditado que diz: “Toda ausência é atrevida”. Tem coisa mais feia do que falar pelas costas coisas negativas, denegrir a imagem do outro? Para mim, essa é pior morte, quando matamos a honra, a moral e os princípios do outro, sem a mínima possibilidade de defesa.

Quem crê em Deus e ama seus mandamentos, sabe muito bem que nossa boca foi feita para o louvor, adoração, para construir e edificar. Uma grande prova que somos realmente de Deus é quando nas mínimas coisas damos testemunhos em nossa vida, quando nos afastamos dos lábios mentirosos e difamadores, quando não damos ouvido a palavras que desmoralizam o outro, quando não alimentamos conversas maliciosas, quando não propagamos “estórias” da vida dos outros.

Engraçado que tem gente ganhado dinheiro com a vida alheia. Seriam os fofoqueiros “profissionais”? programa de TV, revistas, sites que lucram com os fatos da vida dos outros. Grande perda de tempo, mas parece que tem muita gente que esquece de sua vida e se importa e gasta seu tempo precioso e seu dinheiro interessada na vida alheia.

Pense nisso, quando for abrir sua boca: Imagine se suas palavras irão construir ou destruir, edificar ou derrubar, gerar vida ou morte. Se não valer a pena o que vai dizer, fique em silencio, se não tiver palavras boas não fale nada. Retire-se e ore!!!!

Abraço fraterno,
Fabiana Paula

Quem fofoca testemunha em essência,
Que não crê na Onisciência,
Pois age como se de testemunha houvesse ausência
Para seguro difundir sua maledicência. (Gilberto Ventura)