Não basta dizer que é cristão, tem que haver gestos concretos!

junho 29, 2014

Bebe no útero

NÃO AO ABORTO. QUEM É CRISTÃO TEM QUE ABRAÇAR ESSA CAUSA!

LEIAM COM ATENÇÃO E COMPARTILHEM!

A Presidente Dilma reconheceu, em uma entrevista concedida ao jornal O Globo, no último dia 4 de junho, que a Lei 12.845 (a Lei do Cavalo de Tróia) tem como objetivo tornar obrigatória a realização de abortos em todo a rede do SUS. “Para realizar a interrupção legal da gestação, o estabelecimento deve seguir as normas técnicas de atenção humanizada ao abortamento do Ministério da Saúde e a legislação vigente”, disse a Presidente. “O gestor de saúde municipal ou estadual é o responsável por garantir e organizar o atendimento profissional para realizar o procedimento”, afirmou.
Graças ao empenho de milhares de cidadãos brasileiros e aos milhares de e-mails e telefonemas que chegaram à Câmara, 13 lideranças de partidos protocolaram na Câmara, nesse mesmo dia, o Requerimento de Urgência para que seja revogada a Lei do Cavalo de Tróia.
Temos agora todas as condições para revogar a infame Lei do Cavalo de Tróia, que criou, através da vigarice legislativa, as condições jurídicas para introduzir o aborto em toda a rede hospitalar brasileira.
Para tanto, pedimos a todos os que receberem esta mensagem que enviem uma cópia dela a toda a sua lista de contatos e telefonem, enviem faxes e e-mails à Presidência da Câmara, pedindo que coloque na pauta do Plenário da Câmara o Requerimento de Urgência 10.413/2014, para que o PL 6033/13, de autoria do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que revoga a Lei do Cavalo de Tróia, seja imediatamente votado e aprovado.
Seguem abaixo os dados para contato com a Presidência da Câmara:

—————————————————-
Dep. Henrique Eduardo Alves
Telefone: (61) 3215-8000 / 8004 / 8005 / 8015 / 8016 / 8017 / 8018
Fax: (61) 3215-8044
E-mail: presidencia@camara.gov.br


Você sabe o que é a ideologia do gênero?

março 24, 2014

Paz e bem povo de Deus!

Quero partilhar com vocês um assunto que tem sido debatido e provocado muitas discussões em nosso meio, que é a ideologia do gênero. É importante saber o que é, e como nós católicos nos posicionamos em relação a isso.

Compartilho então um texto e vídeo do Professor Felipe Aquino esclarecendo o significado e orientado os católicos.

Vamos divulgar e nos colocarmos contra esse plano diabólico.

Fraternalmente,

Fabiana Paula

Você já ouviu falar em ideologia do gênero?

(Fonte:http://cleofas.com.br/voce-ja-ouviu-falar-em-ideologia-de-genero/)

Nos dias de hoje temos ouvido isso mais comumente. Isso é um movimento considerado anticatólico, que diz o seguinte: a criança nasce sem um sexo definido. Quando a criança nasce não deve ser considerada do sexo masculino ou sexo feminino; depois ela fará esta escolha. Essa é a chamada Identidade de gênero ou Ideologia de gênero.

Inclusive, já existem escolas para crianças na Suécia e na Holanda, onde não se pode chamar o aluno de menino ou menina, chama-os apenas de crianças, porque eles devem decidir quando crescerem se serão homens ou mulheres, o que é antinatural.

Veja o que Prof. Felipe tem a dizer sobre este assunto:


Você está ON ou OFF?

agosto 13, 2013

Muito bom esse vídeo motivacional. Que ele nos ajude a repensar nossas ideias e escolhas.

Abraço fraterno,

Fabiana Paula

Você está ON ou OFF?


A história de um pequeno ser humano

agosto 2, 2013

jeromeNa JMJ 2013 no Rio Janeiro, um pequeno gesto me chamou a atenção… Cada jovem ao receber o seu kit de peregrino, recebeu também um rico e valioso presente:Uma belíssima cartilha elaborada pela Comissão Nacional da Pastoral Familiar – CNPF, chamada“Chaves para a bioética”. Este “livreto” foi elaborado em parceria com a Fontadion Jérôme Lejeune, fundada em hora deste grande geneticista que descobriu a causa do chamado “mongolismo”. Este homem recebeu em 1964 a primeira cátedra de genética fundamental na Faculdade de Medicina de Paris. Vale a pena ressaltar que a cátedra em questão foi criada especialmente para ele.

Jérôme Lejeune na medida que estudava as causas de deficiências intelectuais de origem genética, apaixonou-se pelos seus pacientes ao ponto de tornar-se um firme defensor da vida. Em 1974, ele foi nomeado pelo Papa Paulo VI para a pontifícia Academia de Ciências. Dentre outros títulos, vale a pena destacar a sua eleição para a Academia das Ciências morais e políticas na França (1994), o título de doutor honoris causa da Universidade de Navarra (Pamplona, Espanha) e a Presidência da Pontifícia Academia para a vida, criada pelo saudoso Beato João Paulo II. Faleceu em 1997 enquanto acontecia a JMJ de Paris.

No ano de 1996 a Fundação Jérôme Lejeune foi reconhecida como de grande utilidade pública para a humanidade.

Durante um bom período estarei publicando aqui no blog Dominus Vobiscum trechos desta cartilha que nada mais é do que a visão da Igreja Católica Apostólica Romana sobre questões polêmicas como o aborto e o uso de células embrionárias. Sei que muita gente que não concorda com a visão da Igreja vai ler e refutar os artigos escritos. Mas o objetivo é antes de tudo, mostrar aos católicos o que a Igreja diz. Se cada um vai se unir a Igreja de Cristo ou não, dai já não posso fazer muita coisa. Só penso que antes de criticar é importante ler e refletir. Espero de coração que vocês gostem e reflitam…

A história humana começa na fecundação

A grande questão acerca do aborto precisa antes de tudo passar por perguntas prévias e importantes como esta: quando de fato começa a vida? Na visão da biologia (ciência que estuda a vida), uma nova vida humana começa no momento em que as informações conduzidas pelo espermatozoide se reúnem com às conduzidas pelo ovócito. Para os biólogos, neste exato momento é determinado o patrimônio genético de uma pessoa, inclusive seu sexo. Não se trata de uma teoria, mas de um primeiro estágio de desenvolvimento de alguém que um dia terá um nome como eu e você, porém naquele momento, ainda não está plenamente desenvolvido.

O zigoto é o primeiro estágio do embrião, onde se reúnem 23 cromossomos da mãe e os 23 cromossomos do pai. O seu tamanho é de 0,15 mm. Com 24 horas, o embrião já começa a se dividir, ou seja, já não é mais uma célula, mas duas que com o tempo irão se multiplicando e assim manifestando a nova vida.  Com 48 horas, já existem 4 células e com 72 horas, 8 células. Tudo vai acontecendo de forma ordenada (bonito ver como as coisas criadas por Deus são ordenadas). Com quatro dias o nascituro já está do tamanho de uma pequena amora e entre o 5º e 7º ocorre a nidação no útero materno. Com 21 dias, por meio da ecografia o coração do bebê já pode ser ouvido. Com dois meses, já é possível distinguir os dedos, a boca, o nariz, as orelhas, os olhos e até as pálpebras!

No terceiro mês a ciência já não chama mais aquele ser humano de embrião, mas de feto. Ele pode mexer as mãos e já podemos inclusive saber seu sexo.

Como se vê, o embrião é um organismo vivo, um ser vivo, um ser humano em potencial. Este pequeno ser, mesmo em seu primeiro dia de vida, já é dotado de um patrimônio genético humano mas está indefeso e frágil. A Igreja que se preocupa com a vida, também se preocupa com as frágeis vidas humanas que estão em desenvolvimento. Será que estas vidas não tem o direito de serem defendidas?

Fases do desenvolvimento embrionário (da 3ª a 8ª semana)

Falando sobre a gravidez

Gravidez é o estado da mulher em que o feto se desenvolve dentro da mãe (Dicionário Caldas Aulete). É importante que você saiba que desde o momento da concepção (fecundação), a mulher já é considerada grávida, pois é a partir desta data que se contam os meses para o nascimento da criança.

Como se vê, já existe vida ao primeiro dia de gravidez. Talvez você me diga que é apenas uma célula. Sim, é verdade. Porém uma célula viva que já não faz mais parte do corpo da mãe. Está na mãe, mas não é parte do corpo dela. Agora pense comigo: Se um dia encontrarem uma célula viva em outro planeta, esta terá um grande valor para a humanidade. Porém infelizmente uma célula gerada no corpo de uma mulher, um ser humano como eu e você, em nosso planeta, já corre risco de morte.

Até a próxima!

Dominus Vobiscum


Aborto, uma violência moral e física

agosto 2, 2013

.

Quem tem autoridade para dizer onde começa a vida é a Biologia, amparado pela embriologia, pela medicina fetal, isso nós já sabemos.

E é justamente a biologia que nos afirma que a única diferença entre cada um de nós e um óvulo fecundado é o TEMPO e a NUTRIÇÃO. Ou seja, isso é um dado científico.

A diferença é que eu tenho 30 anos e o feto tem 2 meses, 5 meses… ; Eu como arroz e feijão e o feto está em simbiose com a mãe por questões nutrientes, somente por isso.

.

Nenhum ser humano é mais humano do que outro.

SER e HUMANIDADE são inatos, não são adquiridos.

Nenhum corpo vivo pode se tornar pessoa se já não for em essência.

O feto não se torna pessoa, ele é pessoa.

Nem defeito físico, que a criança tenha, nem tempo de fecundação, vai mudar isso. Se a vida começa na concepção, como é provado pela Biologiao aborto é matar uma vida. E uma vida indefesa.

Num aborto o feto morre de maneira dolorosa, ele tem sensibilidade à dor e isso foi mostrado pelo Dr.Bernad Nathanson no filme”Silent Scream“(O grito silêncioso).

O vídeo mostra o feto tentando se desviar do instrumento abortivo, acelerando os batimentos cardíacos quando o sugador o encontra.

Assim que seus membros foram arrancados, sua boca se abriu, o que deu origem ao nome do filme do Dr Nathanson.

Numa gestação, o agente ativo é o feto e o agente passivo é a mãe;

É o feto quem regula o líquido amniótico, é ele quem em última instância diz o momento de sair; Tanto é, que alguns abortos espontâneos acontecem porque o organismo da mãe entende a criança como um ser estranho. O que impede da criança não ser expulsa pelo organismo da mãe é justamente a cápsula protetora que o feto desenvolve.

E os abortistas ainda insistem em dizer que o feto é prolongamento do corpo da mulher!

Querem tratar o aborto como uma procedimento natural e trnaquilo, somente que Deus perdoasempre, os homens às vezes mas a natureza nunca.

Quanto a natureza cobra pelo aborto?

 

25% das mulheres que fizeram aborto freqüentam continuamente psiquiatria.

60% experimentam estress emocional pós aborto e desordem do estress pós traumático.

138% mais probabilidade de depressão comparando com as mulheres que mantem sua gravidez até o fim.

260% mais probabilidade em serem hospitalizadas para tratamentos psiquiátricos.

7 X mais propensas ao suicídio do que as outras mulheres

De 30 à 50% da mulheres que praticam o aborto ficam com alguma disfunção sexual.

.

Além de:

  • Perfuração do útero

  • Embolia

  • Necrose

  • Cancro da mama(nº altíssimo) da cervical, do fígado.

  • Complicações numa gravidez futura.

  • Pancreatite

  • Endometrite

  • lacerações

    Etc.etc.etc….

A pessoa humana não é só físico, é mente, corpo, alma e espírito;

O problema é que querem tratar a questão do aborto como se ao retirar o feto, o problema da mulher estivesse resolvido.

Está muito claro as consequências do aborto para a mulher.

Outro argumento ridículo é o de que a legalização do aborto é questão de saúde pública.

A verdade é que todos aqueles que defendem o aborto escondem as consequências dele.

Os abortistas querem atacar a causa e não trabalhar o preventivo que é a legítima educação.

Aí a gente olha pra situação da saúde pública no Brasil: Hospital sem médico, sem equipamento pra fazer radiografias, filas quilométricas para o pobre ser atendido, falta de leito nos hospitais.

Falar que aprovar aborto no Brasil é questão de saúde pública é simplesmente ridículo.

Enquanto se quer legalizar o aborto com a desculpa de problema de saúde pública as mães que querem ter seus filhos não encontram leitos, não encontram médicos nos hospitais, mas encontram um caos na saúde pública.

São 2 anos pra uma mulher operar um mioma na rede pública, um caos. Coitados dos que dependem da rede pública. E agora querem nos convencer que legalizar o aborto é questão de saúde pública?

O aborto é a violência dos poderosos contra os indefesos, essa é a verdade.

.Fonte: Blog do Tiba: http://blog.cancaonova.com/tiba/2012/02/09/aborto-uma-violencia-moral-e-fisica/

 _______________________________________


O Cético e o Lúcido…

agosto 2, 2013

Gêmeos

No ventre de uma mulher grávida estavam dois bebês.
O primeiro pergunta ao outro:
– Você acredita na vida após o nascimento?
– Certamente. Algo tem de haver após o nascimento.
– Talvez estejamos aqui principalmente porque nós precisamos nos preparar para o que seremos mais tarde.
– Bobagem, não há vida após o nascimento. Como verdadeiramente seria essa vida?
– Eu não sei exatamente, mas certamente haverá mais luz do que aqui.
– Talvez caminhemos com nossos próprios pés e comeremos com a boca.
– Isso é um absurdo! Caminhar é impossível.
– E comer com a boca? É totalmente ridículo! O cordão umbilical nos alimenta.
– Eu digo somente uma coisa: A vida após o nascimento está excluída – o cordão umbilical é muito curto.
– Na verdade, certamente há algo. Talvez seja apenas um pouco diferente do que estamos habituados a ter aqui.
– Mas ninguém nunca voltou de lá, depois do nascimento. O parto apenas encerra a vida.
– E, afinal de contas, a vida é nada mais do que a angústia prolongada na escuridão.
– Bem, eu não sei exatamente como será depois do nascimento, mas com certeza veremos a mamãe e ela cuidará de nós.
– Mamãe? Você acredita na mamãe? E onde ela supostamente está?
– Onde? Em tudo à nossa volta! Nela e através dela nós vivemos. Sem ela tudo isso não existiria.
– Eu não acredito! Eu nunca vi nenhuma mamãe, por isso é claro que não existe nenhuma.
– Bem, mas, às vezes, quando estamos em silêncio, você pode ouvi-la cantando ou sente como ela afaga nosso mundo.


Vergonha para o Brasil

agosto 2, 2013

Aborto

A presidente Dilma Rousseff sancionou nesta quinta-feira (1º), sem vetos, projeto de lei que determina o atendimento obrigatório e imediato no Sistema Único de Saúde (SUS) a vítimas de violência sexual, segundo informou o ministro da Saúde, Alexandre Padilha. A lei entra em vigor em 90 dias.

Com a sanção, Dilma manteve no projeto um trecho que foi alvo de polêmica entre religiosos por obrigar hospitais a prestarem serviço de “profilaxia da gravidez” a mulheres que foram abusadas.

De acordo com o projeto, todos os hospitais da rede pública serão obrigados a oferecer, de forma imediata, entre outros serviços, a “profilaxia da gravidez”, termo que, de acordo com o Ministério da Saúde, refere-se ao uso da chamada “pílula do dia seguinte”. A medicação evita a fecundação do óvulo (em até 72 horas após a relação sexual) e não tem poder para interromper uma gestação.

Segue abaixo o post do blog do Padre Joãozinho sobre esse triste acontecimento.

No calor dos debates pedi a uma pessoa da área do direito que fizesse uma análise semântica e jurídica da expressão “profilaxia da gravidez”. Uma vez que a Presidente Dilma sancionou integralmente o PL 03/2013 contra o pedido da CNBB de veto parcial, cabe garantir que honre, ao menos, o sentido preciso da ambígua expressão “profilaxia da gravidez”. Este artigo surgiu depois uma conversa e a convite do meu amigo João Carlos Almeida (Padre Joãozinho, scj), após a qual resolvi escrever devido ao tramite do Projeto de Lei 03/2013, autoria da deputada federal Iara Bernardi do PT/SP[1], que traz em seu art. 3º, IV, a expressão “profilaxia da gravidez”, que vem sendo interpretada como “aborto permitido”. Na verdade o projeto de lei visa a tornar obrigatório o atendimento emergencial às vítimas de violência sexual no SUS – Sistema Único de Saúde.

Durante esta conversa surgiu a seguinte duvida: será que a palavra “profilaxia” empregada na futura lei não poderia ser interpretada como aborto permitido no Brasil?

No direito, a interpretação nada mais é que buscar o efetivo alcance da norma, ou seja, procurar descobrir aquilo que ela tem a nos dizer com a maior precisão possível, sendo que os meios empregados para a interpretação são: 1) literal ou gramatical, que se preocupa simplesmente com o significado das palavras; 2) a teleológica, que visa alcançar a finalidade da lei, aquilo que ela se destina regular; 3) a sistêmica, que interpreta a norma legal como um todo e não somente para as partes; 4) a histórica, na qual o interprete da norma busca fundamentos de sua criação e momento pelo qual a sociedade atravessa.

Ora, o vocábulo “profilaxia” tem significado médico de conjunto das precauções higiênicas que devem tomar-se para evitar uma doença ou um contágio[2].

Logo, trazendo para dentro do contexto do Projeto de Lei 03/2013 e usando as técnicas de interpretação acima, temos que a palavra profilaxia foi usada corretamente no contexto médico de forma a tratar e prevenir doenças infectocontagiosas que as mulheres vítimas do estupro não venham a sofrer, tais como: DST, AIDS, hepatite etc. e logicamente não inclui a gravidez, pois não se trata de doença.

Hoje o aborto, art. 124 do Código Penal[3], é crime com pena prevista de 1 a 3 anos de prisão, e somente casos previstos na lei não são considerados crimes.

Na nossa constituição e no direito penal brasileiro temos o princípio da legalidade que afirma que um crime só existe se a lei previr que aquela conduta é criminosa. “Não há crime sem lei anterior que o defina, nem pena sem prévia cominação legal.” (art. 5º, XXXIX da CF/88 e art. 1º do CP, respectivamente).

Para que um crime deixe de existir é necessário que uma lei diga que aquela conduta tipificada não é considerada mais como infração penal. Foi o que aconteceu, por exemplo, com o crime de adultério que era previsto no art. 240 do Código Penal brasileiro e hoje não é mais considerado como um delito contra o casamento.

No PL 03/2013 não há revogação do crime de aborto, fazendo com que deixe de ser crime. A finalidade do projeto de lei é unicamente dar tratamento médico para as doenças que as vítimas de violência sexual venham a adquirir, podendo até prejudicar o desenvolvimento normal de uma gestação devido ao surgimento de alguma doença adquirida pela violência. Isto sim é a “profilaxia da gravidez”. Tudo isso e só isso. O que ultrapassa é eufemismo que não cabe nos termos da lei.

Contudo para que haja a legalização do aborto, o texto do projeto de lei já mencionado deve trazer menção em artigo próprio, como manda a boa técnica legislativa, que tal conduta punida estaria fora do rol dos crimes, como aconteceu com o crime de adultério que foi revogado pela Lei 11.106/05 em seu art. 5º: “Ficam revogado o art. 240 do decreto lei 2.848/40[4].” E não é o que ocorre com o caso em questão, pois não há intenção do legislador em descriminalizar o aborto, já que não incluiu artigo que revogasse os artigos que incriminam tal pratica, continuando em vigente os crimes de aborto.


[1] http://www.senado.gov.br/atividade/materia/detalhes.asp?p_cod_mate=111416

[2] http://www.priberam.pt/dlpo/default.aspx?pal=profilaxia

[3] http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del2848compilado.htm

[4] http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/lei/l11106.htm


Feliz 2013!

dezembro 31, 2012

Queridos leitores do meu blog,

Quero desejar a todos um Feliz e Santo 2013!feliz 2013 -

Teria tantas coisas a partilhar com vocês… O ano de 2012 não foi nada fácil…

Tantas coisas difíceis aconteceram, a mais difícil e dolorosa foi a partida de João Paulo, sobrinho de coração e afilhado de batismo.  Partida breve, com apenas 18 anos ele se foi… Quanta saudade, quantas lembranças… Às vezes penso que ele ainda está vivo e que vai aparecer aqui em minha casa, depois lembro que ele já se foi e meu coração ainda dói quando lembro que ele não estará mais em nossas festinhas, reuniões e encontros familiares. Quantas saudades Paulinho!!!!!!

Também foi um ano de balanço na saúde, tratamento da hipertensão, um cansaço que ainda sinto sem um motivo aparente e por fim uma pausa nas atividades vocais, devido a uma fenda nas pregas vocais.

Você que está lendo pode estar pensando que foi um ano péssimo, que estou triste e desmotivada, mas quero partilhar que estou bem e que passei sim por momentos de tristeza, de desânimo, mas o silêncio é poderoso, faz milagres, traz uma reflexão profunda da vida e das prioridades que damos. Descobri muita coisa bonita que me fez ver a vida sob outra ótica. Novos valores, novos sonhos, novas realizações, mas principalmente uma volta ao essencial, ao que fica que não é fugaz, passageiro… Família, amigos verdadeiros, minha fé, tudo que vai além de status, aparências ou representações, mas uma fé simples e verdadeira que se dá no cotidiano do dia-a-dia, que é experimentada nas pequenas coisas e que abre os nossos olhos, que tira as escamas, as máscaras e as falsas ideias.

2012 foi um ano de crescimento e amadurecimento. De ser mais família, de lutar e tentar corrigir alguns erros e tentar melhorar em algumas áreas da minha vida. Ano de entender que o perdão é a melhor forma de se tornar uma pessoa livre, leve e feliz.

Agradeço a Deus pelo dom de minha vida, por Ele permitir que eu ainda esteja viva e pela ajuda que o Senhor me deu para que eu pudesse superar todas as minhas dificuldades. Quem crê em Deus e ama a Deus não vive triste pelos cantos, reclamando da vida, mas levanta a cabeça e busca no Senhor força para continuar a caminhada.

Agradeço pelas peregrinações maravilhosas que fiz, lugares lindos que conheci e pelos muitos amigos que conquistei. Louvo a Deus pela vida de cada amigo que somou em minha vida, os de perto, os de longe, os antigos e os novos.

Em tudo dou graças a Deus. Agradeço pela mãe maravilhosa que tenho e a graça de termos feito uma peregrinação à Terra Santa juntas… Simplesmente inesquecível!!!!! Pela vida do meu esposo e do meu filho, presentes de Deus em minha vida. Pela minha irmã e sobrinhos.

E termino dizendo:

Obrigada por tudo Senhor!!!!! Que venha 2013 com seus desafios e surpresas e que estejamos juntos por mais um ano, partilhando sobre nossas vidas e sobre tudo o que Deus nos inspirar.

A você meu querido leitor, obrigada por se fazer presente nesse blog tão simples, de alguém que se acha pequena e indigna, mas que se coloca nas mãos do Senhor como um barro a ser modelado.

Um super abraço e mais uma vez FELIZ 2013 no shalom do Senhor!

Pomba da paz

 

Com carinho,

Fabiana Paula


Fim do Mundo

dezembro 28, 2012

Oi gente, Paz e Bem!

Li essa matéria do Dom Walmor e achei maravilhosa. Espero que gostem também.

Abraço fraterno,

Fabiana

Terra

FIM DO MUNDO

É uma sabedoria simples e de alta importância compreender a vida tecida por fases.
Dom Walmor Oliveira de Azevedo

BELO HORIZONTE, Friday, 28 December 2012 (Zenit.org).

A interpretação do calendário maia provocou grande repercussão pelo mundo afora. A indicação do fim do mundo fomentou noticiários e providências folclóricas. As análises antropológicas, culturais e filosóficas poderão oferecer muitos elementos para fazer a humanidade pensar. O assunto passou a ser tratado com ironia e cinismo. Alguém contou que estava em confraternização com um grupo de amigos quando ouviu a seguinte observação: se o mundo tivesse acabado, sem que os congregados tivessem percebido, ali então seria, certamente, pela vivência da amizade e da fraternidade, a entrada no paraíso. De qualquer forma, permanece o fato merecedor de aprofundamentos, análises e conclusões.

O que, realmente, tem dia e hora para terminar é este ano de 2012. Será finalizada uma contagem de 365 dias e o novo ano começará sob os auspícios de fogos, danças, comidas e bebidas. Sem dúvida, em muitos lugares, esse marco na passagem do tempo será vivido à luz da contemplação e da oração, entrecruzando votos, sonhos, desejos de que o ano novo seja marcado pela paz e por muitas conquistas e realizações. Anseios que podem se tornar realidade, na medida em que profundas correções incidirem na interioridade humana, qualificando escolhas e opções, a conduta social e o relacionamento com a natureza.

O tempo corre veloz. Para os jovens, no dizer de um sábio, os dias passam depressa e os anos custam a passar. Para os mais velhos, os dias demoram a passar e os anos correm numa velocidade que chega a espantar. O passar do tempo é um relógio que aponta, incontestavelmente, para um fim. Se não for do mundo, como pressagiado, para um fim de etapas. A vida de todos, das famílias, das instituições, de cada um é feita de ciclos. É uma sabedoria simples e de alta importância compreender a vida tecida por fases. Todos devem discernir a hora exata de abrir ou fechar os ciclos. Quando esta sabedoria não existe, o passo seguinte será sempre fatídico. Desastroso porque traz prejuízos incontáveis, muitos até irreversíveis. Esse descompasso produz fim de amizades, de harmonia, de honestidades, de tudo o que precisaria estar recomeçando para garantir fecundidade.

É indispensável saber discernir e viver cada ciclo tecendo história. O mundo de todos caminha para um fim pela ausência de uma sabedoria que tem fonte inesgotável. Esta fonte é Deus. Quando se pensa a solidariedade na vida e na mensagem de Jesus Cristo, Salvador e Redentor da humanidade, se reconhece que n’Ele está o sinal vivente daquele amor incomensurável e transcendente de Deus-Conosco. Oportuno, pois, é celebrar o final do ano à luz das celebrações do Natal de Jesus. Não é apenas o Natal. É o Natal de Jesus. Há um gesto de amor. O amor de Deus, o Pai, que envia o Filho. Ele assume a condição humana, é o Verbo encarnado, o perfeito gesto de amor. Jesus assume as enfermidades do seu povo, caminha com ele, salva-o e o constitui na unidade. N’Ele, a solidariedade assume as dimensões do agir de Deus.  Torna-se o horizonte inspirador e sustentador do caminho da humanidade para poder, inevitavelmente, contar mais um final de ano, e não empurrar o mundo na direção de um possível fim.

É hora de novos propósitos, sem superstições ou magias, sedimentados numa visão mais adequada da realidade social e política, intervindo corajosamente onde é preciso mudar com urgência. O novo no “ano novo” que vai chegando aponta o quanto é preciso corrigir as instituições, principalmente as governamentais, para que não funcionem como freio, impedindo avanços emergenciais em áreas como infraestrutura e direitos dos cidadãos. É bom chegar ao final do ano para propósitos novos, impedindo colapsos de um mundo que devemos cuidar. Seja este o compromisso de todos nos votos de um abençoado Ano Novo.

Dom Walmor Oliveira de Azevedo

Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte


Solidão, opção que não resolve problemas

dezembro 18, 2012

Bom Dia povo de Deus!

Gente, li esse post do Dado Moura, que é um grande escritor, pessoa de Deus que escreve sobre formação humana e espiritual, sobre as crises e as dificuldades que todos nós seres humanos passamos e como podemos superá-las. Achei super interessante esse post sobre solidão, pois estamos chegando ao fim doe mais um ano e muita gente nessa época entra em crise, por sentir-se sozinha,  mesmo quando vive em meio a muitas outras pessoas.

Que Jesus seja seu grande amigo e sua grande companhia e que Ele te ensine a viver bem suas amizades, conquistar sempre novos amigos  e superar todas as suas dificuldades.

Abraço fraterno,

Fabiana

Muitas vezes, achamos que somos vítimas injustiçadas, mas, raramente, paramos para analisar a nossa própria atitude.

Sentir-se sozinhos não significa, necessariamente, estar isolado de companhias. Muitas pessoas, vivendo em prédios com dezenas de apartamentos e cercadas de vizinhos pelos quatro lados, ainda se sentem solitárias.

Às vezes, diante de algumas crises em nossos convívios, podemos achar que o isolamento é uma solução para os nossos problemas. Contudo, o reflexo dessa tentativa interfere, também, na vida de outras pessoas que nos cercam, mas que nada têm a ver com as nossas dores. Assim, não podemos fazer da solidão uma opção de vida ou um recurso para contornar as dificuldades.

O vírus da solidão não pode infectar nossos relacionamentos, pois é da inter-relação que conseguimos construir profundos e estreitos vínculos. Um exemplo disso é a vida conjugal.
Se acontecer, entre os cônjuges, a ausência de trocas de experiências, ou, em outras circunstâncias, a indisposição para adequar-se às diferenças de pensamentos, facilmente uma disputa vai surgir entre eles. Tudo vai ser motivo de reclamação e, nas suas murmurações, eles acreditam saber de tudo, pensam resolver todas as coisas da sua própria maneira e afirmam que não precisam de ninguém. Então, a opção de isolar-se faz com que esses casais sejam cada vez mais críticos com eles mesmos e, por que não dizer, ranzinza com o outro.

Há quem prefira viver separado do mundo, considera mais fácil tachar as pessoas como incapazes de conviver com o seu modo de pensar e agir, ao invés de reavaliar uma situação. A pessoa acredita até que seus familiares e parentes têm uma parcela de culpa em suas crises, o que justifica seu afastamento do convívio e, pouco a pouco, a pessoa solitária entrega-se ao cativeiro de seus próprios melindres.

Antes mesmo de se afundar nas “águas da solidão”, melhor seria “nadar” contra um sentimento que facilmente poderá nos levar a experimentar outros males. Muitas vezes, achamos que somos vítimas injustiçadas, mas, raramente, paramos para analisar a nossa própria atitude.
Acredito que a primeira ação para sair da crise de “patinho feio” está na busca dos verdadeiros motivos que nos fazem sentir tão diferentes ou parecer incompreendidos pelas pessoas.

Se percebermos que os laços de amizades estão se desfazendo ou que as pessoas estão evitando conviver conosco, significa que alguma coisa está acontecendo e, certamente, não é uma epidemia de mau-humor que está atacando nossos amigos, mas talvez seja o resultado de nossa própria opção.

Por mais justificável que possa parecer o desejo de se isolar, esse, não é o comportamento mais adequado diante das dificuldades. Dessa maneira, precisamos despertar para a realidade de que esse tipo de solidão é um defeito que nos atingirá, se não nos empenharmos no compromisso de dar uma resposta diferente, quando o desejo de desistir das pessoas e das situações parecer mais forte.

Um abraço

Dado Moura

http://dadomoura.com/