O CONSTRUTOR DE PONTES

dezembro 17, 2012

Ponte de madeira

Dois irmãos que moravam em fazendas vizinhas, separadas apenas por um riacho, entraram em conflito.

Foi a primeira grande desavença em toda uma vida de trabalho lado a lado. Mas agora tudo havia mudado.

O que começou com um pequeno mal-entendido, finalmente explodiu numa troca de palavras ríspidas, seguidas por semanas de total silêncio .

Numa manhã, o irmão mais velho ouviu baterem à sua porta. Abriu-a e se deparou com um homem que lhe disse: – Estou procurando trabalho. Talvez você tenha algum serviço para mim…

– Sim, disse o fazendeiro. Claro! Vê aquela fazenda ali, além do riacho? É do meu vizinho. Na realidade é do meu irmão mais novo. Nós brigamos e não posso mais suportá-lo. Vê aquela pilha de madeira ali no celeiro? Pois use para construir uma cerca bem alta.

– Acho que entendo a situação, disse o carpinteiro. Mostre-me onde estão a pá e os pregos. O irmão mais velho entregou o material e foi para a cidade. O homem ficou ali cortando, medindo, trabalhando o dia inteiro.

Quando o fazendeiro chegou, não acreditou no que viu: em vez de cerca, uma ponte foi construída ali, ligando as duas margens do riacho. Era um belo trabalho, mas o fazendeiro ficou enfurecido e falou: – Você foi atrevido construindo essa ponte, depois de tudo que lhe contei.

Mas as surpresas não pararam aí. Ao olhar novamente para a ponte viu o seu irmão se aproximando de braços abertos. Por um instante permaneceu imóvel do seu lado do rio .

O irmão mais novo então falou: – Você realmente foi muito amigo construindo esta ponte mesmo depois de tudo o que eu lhe disse. De repente, num só impulso, o irmão mais velho correu na direção do outro e abraçaram-se, chorando no meio da ponte.

O carpinteiro que fez o trabalho já ia partindo com sua caixa de ferramentas. – Espere, fique conosco! Tenho outros trabalhos para você. E o carpinteiro respondeu: – Eu adoraria, mas tenho outras pontes a construir…

Anúncios

A Casa Queimada

junho 26, 2012

Bom Dia!

Hoje, envio pra vocês, mais uma daquelas estórias bem legais pra gente meditar em como muitas vezes algo aparentemente negativo, pode ser a porta e o sinal de que algo muito bom irá acontecer.

Abraço fraterno,

Fabiana Paula

Foto de Arquivo (foto ASF)

A Casa Queimada

Um certo homem saiu em uma viagem de avião. Era um homem temente a Deus, e sabia que Deus o protegeria. Durante a viagem, quando sobrevoavam o mar um dos motores falhou e o piloto teve que fazer um pouso forçado no oceano..

Quase todos morreram, mas o homem conseguiu agarrar-se a alguma coisa que o conservasse em cima da água.

Ficou boiando à deriva durante muito tempo até que chegou a uma ilha não habitada. Ao chegar à praia, cansado, porém vivo, agradeceu a Deus por este livramento maravilhoso da morte.

Ele conseguiu se alimentar de peixes e ervas. Conseguiu derrubar algumas árvores e com muito esforço conseguiu construir uma casinha para ele.

Não era bem uma casa, mas um abrigo tosco, com paus e folhas. Porém significava proteção. Ele ficou todo satisfeito e mais uma vez agradeceu a Deus, porque agora podia dormir sem medo dos animais selvagens que talvez pudessem existir na ilha.

Um dia, ele estava pescando e quando terminou, havia apanhado muitos peixes. Assim com comida abundante, estava satisfeito com o resultado da pesca.

Porém, ao voltar-se na direção de sua casa, qual tamanha não foi sua decepção, ao ver sua casa toda incendiada. Ele se sentou em uma pedra chorando e dizendo em prantos:

“Deus! Como é que o Senhor podia deixar isto acontecer comigo?

O Senhor sabe que eu preciso muito desta casa para poder me abrigar, e o Senhor deixou minha casa se queimar todinha. Deus, o Senhor não tem compaixão de mim?”

Neste mesmo momento uma mão pousou no seu ombro e ele ouviu
uma voz dizendo:

“Vamos rapaz?”

Ele se virou para ver quem estava falando com ele, e qual não foi sua surpresa
quando viu em sua frente um marinheiro todo fardado e dizendo:

“Vamos rapaz, nós viemos te buscar”

“Mas como é possível? Como vocês souberam que eu estava aqui?”

“Ora, amigo! Vimos os seus sinais de fumaça pedindo socorro.

O capitão ordenou que o navio parasse e me mandou vir lhe buscar naquele
barco ali adiante.”

MORAL DA HISTÓRIA

É comum nos sentirmos desencorajados e até mesmo desesperados quando as
coisas vão mal. Mas Deus age em nosso benefício, mesmo nos momentos de dor e sofrimento.

Lembrem-se:
Se algum dia o seu único abrigo estiver em chamas, esse pode ser o sinal
de fumaça que fará chegar até você a Graça Divina.

Para cada pensamento negativo nosso, Deus tem uma resposta positiva..

Confie, Creia, Espere e antes de tudo, acolhe todas as coisas, lembrando sempre que:

“Tudo concorre para o bem daqueles que amam o Senhor”! (Rm 8.29)


História do dia – LOBOS INTERNOS

dezembro 15, 2011
Alimente o bom lobo!

Alimente o bom lobo!

Um velho avô disse a seu neto, que veio a ele com raiva de um amigo que lhe havia feito uma injustiça:

– “Deixe-me contar-lhe uma estória, – disse o Avô ao seu netinho.
– “Eu mesmo, algumas vezes, senti grande ódio àqueles que ‘aprontaram’ tanto, sem qualquer arrependimento daquilo que fizeram. Todavia, o ódio corrói você, mas não fere seu inimigo. É o mesmo que tomar veneno, desejando que seu inimigo morra. Lutei muitas vezes contra estes sentimentos”
E ele continuou:
– “É como se existissem dois lobos dentro de mim. Um deles é bom e não magoa. Ele vive em harmonia com todos ao redor dele e não se ofende quando não se teve intenção de ofender. Ele só lutará quanto for certo fazer isto, e da maneira correta. Mas, o outro lobo, ah!, este é cheio de raiva. Mesmo as pequeninas coisas o lançam num ataque de ira! Ele briga com todos, o tempo todo, sem qualquer motivo. Ele não pode pensar porque sua raiva e seu ódio são muito grandes.
É uma raiva inútil, pois sua raiva não irá mudar coisa alguma!
Algumas vezes é dificil de conviver com estes dois lobos dentro de mim, pois
ambos tentam dominar meu espírito.”
O garoto olhou intensamente nos olhos de seu Avô e perguntou:
– “Qual deles vence, Vovô? ”
O Avô sorriu e respondeu baixinho:
– “Aquele que eu alimento mais freqüentemente.”