A história de um pequeno ser humano

agosto 2, 2013

jeromeNa JMJ 2013 no Rio Janeiro, um pequeno gesto me chamou a atenção… Cada jovem ao receber o seu kit de peregrino, recebeu também um rico e valioso presente:Uma belíssima cartilha elaborada pela Comissão Nacional da Pastoral Familiar – CNPF, chamada“Chaves para a bioética”. Este “livreto” foi elaborado em parceria com a Fontadion Jérôme Lejeune, fundada em hora deste grande geneticista que descobriu a causa do chamado “mongolismo”. Este homem recebeu em 1964 a primeira cátedra de genética fundamental na Faculdade de Medicina de Paris. Vale a pena ressaltar que a cátedra em questão foi criada especialmente para ele.

Jérôme Lejeune na medida que estudava as causas de deficiências intelectuais de origem genética, apaixonou-se pelos seus pacientes ao ponto de tornar-se um firme defensor da vida. Em 1974, ele foi nomeado pelo Papa Paulo VI para a pontifícia Academia de Ciências. Dentre outros títulos, vale a pena destacar a sua eleição para a Academia das Ciências morais e políticas na França (1994), o título de doutor honoris causa da Universidade de Navarra (Pamplona, Espanha) e a Presidência da Pontifícia Academia para a vida, criada pelo saudoso Beato João Paulo II. Faleceu em 1997 enquanto acontecia a JMJ de Paris.

No ano de 1996 a Fundação Jérôme Lejeune foi reconhecida como de grande utilidade pública para a humanidade.

Durante um bom período estarei publicando aqui no blog Dominus Vobiscum trechos desta cartilha que nada mais é do que a visão da Igreja Católica Apostólica Romana sobre questões polêmicas como o aborto e o uso de células embrionárias. Sei que muita gente que não concorda com a visão da Igreja vai ler e refutar os artigos escritos. Mas o objetivo é antes de tudo, mostrar aos católicos o que a Igreja diz. Se cada um vai se unir a Igreja de Cristo ou não, dai já não posso fazer muita coisa. Só penso que antes de criticar é importante ler e refletir. Espero de coração que vocês gostem e reflitam…

A história humana começa na fecundação

A grande questão acerca do aborto precisa antes de tudo passar por perguntas prévias e importantes como esta: quando de fato começa a vida? Na visão da biologia (ciência que estuda a vida), uma nova vida humana começa no momento em que as informações conduzidas pelo espermatozoide se reúnem com às conduzidas pelo ovócito. Para os biólogos, neste exato momento é determinado o patrimônio genético de uma pessoa, inclusive seu sexo. Não se trata de uma teoria, mas de um primeiro estágio de desenvolvimento de alguém que um dia terá um nome como eu e você, porém naquele momento, ainda não está plenamente desenvolvido.

O zigoto é o primeiro estágio do embrião, onde se reúnem 23 cromossomos da mãe e os 23 cromossomos do pai. O seu tamanho é de 0,15 mm. Com 24 horas, o embrião já começa a se dividir, ou seja, já não é mais uma célula, mas duas que com o tempo irão se multiplicando e assim manifestando a nova vida.  Com 48 horas, já existem 4 células e com 72 horas, 8 células. Tudo vai acontecendo de forma ordenada (bonito ver como as coisas criadas por Deus são ordenadas). Com quatro dias o nascituro já está do tamanho de uma pequena amora e entre o 5º e 7º ocorre a nidação no útero materno. Com 21 dias, por meio da ecografia o coração do bebê já pode ser ouvido. Com dois meses, já é possível distinguir os dedos, a boca, o nariz, as orelhas, os olhos e até as pálpebras!

No terceiro mês a ciência já não chama mais aquele ser humano de embrião, mas de feto. Ele pode mexer as mãos e já podemos inclusive saber seu sexo.

Como se vê, o embrião é um organismo vivo, um ser vivo, um ser humano em potencial. Este pequeno ser, mesmo em seu primeiro dia de vida, já é dotado de um patrimônio genético humano mas está indefeso e frágil. A Igreja que se preocupa com a vida, também se preocupa com as frágeis vidas humanas que estão em desenvolvimento. Será que estas vidas não tem o direito de serem defendidas?

Fases do desenvolvimento embrionário (da 3ª a 8ª semana)

Falando sobre a gravidez

Gravidez é o estado da mulher em que o feto se desenvolve dentro da mãe (Dicionário Caldas Aulete). É importante que você saiba que desde o momento da concepção (fecundação), a mulher já é considerada grávida, pois é a partir desta data que se contam os meses para o nascimento da criança.

Como se vê, já existe vida ao primeiro dia de gravidez. Talvez você me diga que é apenas uma célula. Sim, é verdade. Porém uma célula viva que já não faz mais parte do corpo da mãe. Está na mãe, mas não é parte do corpo dela. Agora pense comigo: Se um dia encontrarem uma célula viva em outro planeta, esta terá um grande valor para a humanidade. Porém infelizmente uma célula gerada no corpo de uma mulher, um ser humano como eu e você, em nosso planeta, já corre risco de morte.

Até a próxima!

Dominus Vobiscum


O Cético e o Lúcido…

agosto 2, 2013

Gêmeos

No ventre de uma mulher grávida estavam dois bebês.
O primeiro pergunta ao outro:
– Você acredita na vida após o nascimento?
– Certamente. Algo tem de haver após o nascimento.
– Talvez estejamos aqui principalmente porque nós precisamos nos preparar para o que seremos mais tarde.
– Bobagem, não há vida após o nascimento. Como verdadeiramente seria essa vida?
– Eu não sei exatamente, mas certamente haverá mais luz do que aqui.
– Talvez caminhemos com nossos próprios pés e comeremos com a boca.
– Isso é um absurdo! Caminhar é impossível.
– E comer com a boca? É totalmente ridículo! O cordão umbilical nos alimenta.
– Eu digo somente uma coisa: A vida após o nascimento está excluída – o cordão umbilical é muito curto.
– Na verdade, certamente há algo. Talvez seja apenas um pouco diferente do que estamos habituados a ter aqui.
– Mas ninguém nunca voltou de lá, depois do nascimento. O parto apenas encerra a vida.
– E, afinal de contas, a vida é nada mais do que a angústia prolongada na escuridão.
– Bem, eu não sei exatamente como será depois do nascimento, mas com certeza veremos a mamãe e ela cuidará de nós.
– Mamãe? Você acredita na mamãe? E onde ela supostamente está?
– Onde? Em tudo à nossa volta! Nela e através dela nós vivemos. Sem ela tudo isso não existiria.
– Eu não acredito! Eu nunca vi nenhuma mamãe, por isso é claro que não existe nenhuma.
– Bem, mas, às vezes, quando estamos em silêncio, você pode ouvi-la cantando ou sente como ela afaga nosso mundo.


QUEM FOFOCA DESFOCA!

janeiro 30, 2013

Image

“Qual é o homem que deseja a vida…?”

“È aquele que guarda sua língua do mal e seus lábios da falsidade”.

(Salmo 34.13-14)

Essa semana vi essa frase e fiquei meditando na sabedoria de quem a escreveu. Pensando no que seria algo desfocado.

Segundo o dicionário informal on-line, “desfocar” significa: Tirar a atenção, querer omitir algo, Tirar do foco; manter fora das atenções principais.

Realmente a fofoca macula, mancha e embaça qualquer tipo de relacionamento. Em minha caminhada tenho me deparado com situações e momentos propícios para a fofoca. Sabe quando nos sentimos injustiçados, sabe quando bate aquela inveja do sucesso do outro, do crescimento do outro e quando achamos que nós é que deveríamos estar desfrutando daquela alegria. Sabe quando alguém está feliz e nós infelizes e quando nossas frustrações vem a tona. Daí não aguentamos e começamos a “detonar” com o outro. Sabe quando a alegria do outro está incomodando, daí encontramos defeitos, procuramos imperfeições e com certeza uma das coisas mais tristes é se alegrar com a queda do outro e se entristecer com suas vitórias.

A fofoca “desfoca”, porque tira nosso foco, nos faz querer o mal do outro. Quantos casamentos, relacionamentos, amizades de longos anos foram desfeitas por Palavras venenosas que trouxeram discórdia e semearam o joio.

A ausência é amiga da fofoca e quando o outro não está para se defender é muito fácil dizer o que quiser. Tem um ditado que diz: “Toda ausência é atrevida”. Tem coisa mais feia do que falar pelas costas coisas negativas, denegrir a imagem do outro? Para mim, essa é pior morte, quando matamos a honra, a moral e os princípios do outro, sem a mínima possibilidade de defesa.

Quem crê em Deus e ama seus mandamentos, sabe muito bem que nossa boca foi feita para o louvor, adoração, para construir e edificar. Uma grande prova que somos realmente de Deus é quando nas mínimas coisas damos testemunhos em nossa vida, quando nos afastamos dos lábios mentirosos e difamadores, quando não damos ouvido a palavras que desmoralizam o outro, quando não alimentamos conversas maliciosas, quando não propagamos “estórias” da vida dos outros.

Engraçado que tem gente ganhado dinheiro com a vida alheia. Seriam os fofoqueiros “profissionais”? programa de TV, revistas, sites que lucram com os fatos da vida dos outros. Grande perda de tempo, mas parece que tem muita gente que esquece de sua vida e se importa e gasta seu tempo precioso e seu dinheiro interessada na vida alheia.

Pense nisso, quando for abrir sua boca: Imagine se suas palavras irão construir ou destruir, edificar ou derrubar, gerar vida ou morte. Se não valer a pena o que vai dizer, fique em silencio, se não tiver palavras boas não fale nada. Retire-se e ore!!!!

Abraço fraterno,
Fabiana Paula

Quem fofoca testemunha em essência,
Que não crê na Onisciência,
Pois age como se de testemunha houvesse ausência
Para seguro difundir sua maledicência. (Gilberto Ventura)


Fim do Mundo

dezembro 28, 2012

Oi gente, Paz e Bem!

Li essa matéria do Dom Walmor e achei maravilhosa. Espero que gostem também.

Abraço fraterno,

Fabiana

Terra

FIM DO MUNDO

É uma sabedoria simples e de alta importância compreender a vida tecida por fases.
Dom Walmor Oliveira de Azevedo

BELO HORIZONTE, Friday, 28 December 2012 (Zenit.org).

A interpretação do calendário maia provocou grande repercussão pelo mundo afora. A indicação do fim do mundo fomentou noticiários e providências folclóricas. As análises antropológicas, culturais e filosóficas poderão oferecer muitos elementos para fazer a humanidade pensar. O assunto passou a ser tratado com ironia e cinismo. Alguém contou que estava em confraternização com um grupo de amigos quando ouviu a seguinte observação: se o mundo tivesse acabado, sem que os congregados tivessem percebido, ali então seria, certamente, pela vivência da amizade e da fraternidade, a entrada no paraíso. De qualquer forma, permanece o fato merecedor de aprofundamentos, análises e conclusões.

O que, realmente, tem dia e hora para terminar é este ano de 2012. Será finalizada uma contagem de 365 dias e o novo ano começará sob os auspícios de fogos, danças, comidas e bebidas. Sem dúvida, em muitos lugares, esse marco na passagem do tempo será vivido à luz da contemplação e da oração, entrecruzando votos, sonhos, desejos de que o ano novo seja marcado pela paz e por muitas conquistas e realizações. Anseios que podem se tornar realidade, na medida em que profundas correções incidirem na interioridade humana, qualificando escolhas e opções, a conduta social e o relacionamento com a natureza.

O tempo corre veloz. Para os jovens, no dizer de um sábio, os dias passam depressa e os anos custam a passar. Para os mais velhos, os dias demoram a passar e os anos correm numa velocidade que chega a espantar. O passar do tempo é um relógio que aponta, incontestavelmente, para um fim. Se não for do mundo, como pressagiado, para um fim de etapas. A vida de todos, das famílias, das instituições, de cada um é feita de ciclos. É uma sabedoria simples e de alta importância compreender a vida tecida por fases. Todos devem discernir a hora exata de abrir ou fechar os ciclos. Quando esta sabedoria não existe, o passo seguinte será sempre fatídico. Desastroso porque traz prejuízos incontáveis, muitos até irreversíveis. Esse descompasso produz fim de amizades, de harmonia, de honestidades, de tudo o que precisaria estar recomeçando para garantir fecundidade.

É indispensável saber discernir e viver cada ciclo tecendo história. O mundo de todos caminha para um fim pela ausência de uma sabedoria que tem fonte inesgotável. Esta fonte é Deus. Quando se pensa a solidariedade na vida e na mensagem de Jesus Cristo, Salvador e Redentor da humanidade, se reconhece que n’Ele está o sinal vivente daquele amor incomensurável e transcendente de Deus-Conosco. Oportuno, pois, é celebrar o final do ano à luz das celebrações do Natal de Jesus. Não é apenas o Natal. É o Natal de Jesus. Há um gesto de amor. O amor de Deus, o Pai, que envia o Filho. Ele assume a condição humana, é o Verbo encarnado, o perfeito gesto de amor. Jesus assume as enfermidades do seu povo, caminha com ele, salva-o e o constitui na unidade. N’Ele, a solidariedade assume as dimensões do agir de Deus.  Torna-se o horizonte inspirador e sustentador do caminho da humanidade para poder, inevitavelmente, contar mais um final de ano, e não empurrar o mundo na direção de um possível fim.

É hora de novos propósitos, sem superstições ou magias, sedimentados numa visão mais adequada da realidade social e política, intervindo corajosamente onde é preciso mudar com urgência. O novo no “ano novo” que vai chegando aponta o quanto é preciso corrigir as instituições, principalmente as governamentais, para que não funcionem como freio, impedindo avanços emergenciais em áreas como infraestrutura e direitos dos cidadãos. É bom chegar ao final do ano para propósitos novos, impedindo colapsos de um mundo que devemos cuidar. Seja este o compromisso de todos nos votos de um abençoado Ano Novo.

Dom Walmor Oliveira de Azevedo

Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte


Esperar com fé!

setembro 7, 2012

Há um tempo pra cada coisa…

Esperar o tempo certa e não ultrapassar etapas é indispensável para se chegar a meta desejada.

As vezes os desafios chegam em nossa vida e precisamos de um tempo para superá-los.

As adversidades vem, mas vão embora também, nada é pra sempre. Só Deus não passará!

Confiar, esperar, fazer a sua parte, mas não esquecer que tudo o que nos acontece deve servir para nosso crescimento e amadurecimento.

“Espera no Senhor; sê forte, anima-te, e espera n’Ele”. (Sl 27.14)


Nem tudo é fácil!

setembro 4, 2012

É difícil fazer alguém feliz, assim como é fácil fazer triste

É difícil dizer eu te amo, assim como é fácil não dizer nada

É difícil valorizar um amor, assim como é fácil perdê-lo para sempre

É difícil agradecer pelo dia de hoje, assim como é fácil viver mais um dia

É difícil enxergar o que a vida traz de bom, assim como é fácil fechar os olhos e atravessar a rua.

É difícil se convencer de que se é feliz, assim como é fácil achar que sempre falta algo

É difícil fazer alguém sorrir, assim como é fácil fazer chorar.

É difícil colocar-se no lugar de alguém, assim como é fácil olhar para o próprio umbigo

Se você errou, peça desculpas…

É difícil pedir perdão?

Mas quem disse que é fácil ser perdoado?

Se alguém errou com você, perdoa-o

É difícil perdoar?

Mas quem disse que é difícil se arrepender

Se você sentir algo, diga…

É difícil se abrir?

Mas quem disse que é fácil encontrar alguém que queira escutar?

Se alguém reclama de você, ouça…

É difícil ouvir certas coisas?

Mas quem disse que é fácil ouvir você?

Se alguém te ama, ame-o…

É difícil entregar-se?

Mas quem disse que é fácil ser feliz?

Nem tudo é fácil na vida…

Mas, com certeza, nada é impossível …

Precisamos acreditar, ter fé e lutar para que não apenas sonhemos

Mas também tornemos todos esses desejos realidade.

(Cecília Meireles)


O escultor

julho 2, 2012

Hoje levantei cedo pensando no que tenho que fazer antes da meia-noite.

É minha função escolher que tipo de dia quero para mim hoje.

Posso reclamar porque está chovendo ou agradecer as águas por lavarem a poluição.

Posso ficar triste por não ter dinheiro ou me sentir encorajado para administrar minhas finanças, evitando desperdícios.

Posso reclamar de minha saúde ou agradecer por estar vivo.

Posso me queixar dos meus pais por não terem dado tudo o que eu queria ou posso ser garto por ter nascido.

Posso reclamar por ter que ir trabalhar ou ser grato por ter trabalho.

Posso sentir tédio com as tarefas de casa ou agradecer a Deus por ter um teto para morar.

Posso lamentar decepções com amigos ou em entusiasmar com a possibilidade de fazer novas amizades.

Se as coisas não saírem como planejei , posso ficar feliz por ter hoje para recomeçar.

E aqui estou eu, o escultor que pode dar forma, pois isso depende só de mim.

Charles Chaplin


Chiara Corbela Petrillo: uma nova Gianna Beretta Molla

junho 21, 2012

Neste último sábado, na igreja de Santa Francisca Romana, da capital italiana, foi celebrado o funeral da jovem Chiara Petrillo, falecida depois de dois anos de sofrimento provocado por um tumor.

A cerimônia não teve nada de fúnebre: foi uma grande festa em que participaram cerca de mil pessoas, lotando a igreja, cantando e aplaudindo desde a entrada do caixão até a saída.

A extraordinária história de Chiara se difundiu pela internet com um vídeo no YouTube, que registrou mais de 500 visualizações em apenas um dia.

A luminosa jovem romana de 28 anos, com o sorriso sempre nos lábios, morreu porque escolher adiar o tratamento que podia salvá-la. Ela preferiu priorizar a gravidez de Francisco, um menino desejado desde o começo de seu casamento com Enrico.

Não era a primeira gravidez de Chiara. As duas anteriores acabaram com a morte dos bebês logo após cada parto, devido a graves malformações.

Sofrimentos, traumas, desânimo. Chiara e Enrico, porém, nunca se fecharam para a vida. Depois de algum tempo, chegou Francisco.

As ecografias agora confirmavam a boa saúde do menino, mas, no quinto mês, Chiara teve diagnosticada pelos médicos uma lesão na língua. Depois de uma primeira intervenção, confirmou-se a pior das hipóteses: era um carcinoma.

Começou uma nova série de lutas. Chiara e o marido não perderam a fé. Aliando-se a Deus, decidiram mais uma vez dizer sim à vida.

Chiara defendeu Francisco sem pensar duas vezes e, correndo um grave risco, adiou seu tratamento para levar a maternidade adiante. Só depois do parto é que a jovem pôde passar por uma nova intervenção cirúrgica, desta vez mais radical. Vieram os sucessivos ciclos de químio e radioterapia.

Francisco nasceu sadio no dia 30 de maio de 2011. Mas Chiara, consumida até perder a vista do olho direito, não conseguiu resistir por mais do que um ano. Na quarta-feira passada, por volta do meio dia, rodeada de parentes e de amigos, a sua batalha contra o dragão que a perseguia, como ela definia o tumor em referência à leitura do apocalipse, terminou.

Mas na mesma leitura, que não foi escolhida por acaso para a cerimônia fúnebre, ficamos sabendo também que uma mulher derrota o dragão. Chiara perdeu um combate na terra, mas ganhou a vida eterna e deixou para todos um testemunho verdadeiro de santidade.

“Uma nova Gianna Beretta Molla”, definiu-a o cardeal vigário de Roma, Agostino Vallini, que prestou homenagem pessoalmente a Chiara, a quem conhecera havia poucos meses, juntamente com Enrico.

“A vida é um bordado que olhamos ao contrário, pela parte cheia de fios soltos”, disse o purpurado. “Mas, de vez em quando, a fé nos faz ver a outra parte”. É o caso de Chiara, segundo o cardeal: “Uma grande lição de vida, uma luz, fruto de um maravilhoso desígnio divino que escapa ao nosso entendimento, mas que existe”.

“Eu não sei o que Deus preparou para nós através desta mulher”, acrescentou, “mas certamente é algo que não podemos perder. Vamos acolher esta herança que nos lembra o justo valor de cada pequeno gesto do cotidiano”.

“Nesta manhã, estamos vendo o que o centurião viveu há dois mil anos, ao ver Jesus morrer na cruz e proclamar: Este era verdadeiramente o filho de Deus”, afirmou em sua homilia o jovem franciscano frei Vito, que assistiu espiritualmente Chiara e a família no último período.

“A morte de Chiara foi o cumprimento de uma prece. Depois do diagnóstico de 4 de abril, que a declarou doente terminal, ela pediu um milagre: não a própria cura, mas o milagre de viver a doença e o sofrimento na paz, junto com as pessoas mais próximas”.

“E nós”, prosseguiu frei Vito, visivelmente emocionado, “vimos morrer uma mulher não apenas serena, mas feliz”. Uma mulher que viveu desgastando a vida por amor aos outros, chegando a confiar a Enrico: “Talvez, no fundo, eu não queira a cura. Um marido feliz e um filho sereno, mesmo sem ter a mãe por perto, são um testemunho maior do que uma mulher que venceu a doença. Um testemunho que poderia salvar muitas pessoas…”.

A esta fé, Chiara chegou pouco a pouco, “seguindo a regra assumida em Assis pelos franciscanos que ela tanto amava: pequenos passos possíveis”. Um modo, explicou o frade, “de enfrentar o medo do passado e do futuro perante os grandes eventos, e que ensina a começar pelas coisas pequenas. Nós não podemos transformar a água em vinho, mas podemos começar a encher os odres. Chiara acreditava nisto e isto a ajudou a viver uma vida santa e, portanto, uma morte santa, passo a passo”.

Todas as pessoas presentes levaram da igreja uma plantinha, por vontade de Chiara, que não queria flores em seu funeral. Ela preferia que cada um recebesse um presente. E no coração, todos levaram um “pedacinho” desse testemunho, orando e pedindo graças a esta jovem mulher que, um dia, quem sabe, será chamada de beata Chiara Corbela.

fonte: (ZENIT.org)


A-COR-DAR

junho 19, 2012

Bom dia meus queridos, Paz e Bem!

Recebi um email com uma reflexão muito linda, por isso partilho com vocês. Espero que gostem.

A-COR-DAR

Você sabe o que significa a palavra “acordar”? Vamos fazer uma brincadeira e separar em sílabas a palavra acordar? A-Cor-Dar. Viu? Significa dar a cor, colocar o coração em tudo que faz. Existem pessoas que acordam às 6h00 da “tarde”. É isso mesmo! Pela manhã caem da cama, são jogadas da cama, mas passam o dia todo dormindo. E existem alguns, acredite, que passam a vida toda e não conseguem acordar. Eu tive um amigo que acordou aos 54 anos de idade. Ele me disse: Descobri que estou na profissão errada! E ele já estava se aposentando… Imagine o trauma que esse amigo criou para si, para os colegas de trabalho, para a sua família! Foi infeliz durante toda a sua vida profissional porque simplesmente não “acordou”. Eu, na época, era muito jovem, mas compreendi bem o que ele estava me ensinando naquele momento. Por mais cinzento que possa estar sendo o dia de hoje, ele tem exatamente a cor que dou a ele. Sabe por quê? Porque a vida tem a cor que a gente pinta. O engraçado é que os dias são todos exclusivos. Cada dia é um novo dia, ninguém o viveu. Ele está ali, esperando que eu e você façamos com que ele seja o melhor da nossa vida. Os meus dias são os mais lindos da face da terra porque eu os faço os mais lindos da face da terra. Dê a você a oportunidade de “a-cor-dar” todos os dias e compartilhar com os outros o que Deus nos dá de melhor: o privilégio de fazer os outros felizes.

Nada na vida acontece em vão, se um dia ao acordar, você encontrasse, ao lado da sua cama, um lindo pacote embrulhado com fitas coloridas, você o abriria, antes mesmo de lavar o rosto, rasgando o papel, curioso para ver o que havia dentro… Talvez houvesse ali algo de que você nem gostasse muito… Então você guardaria a caixa, pensando no que fazer com aquele presente aparentemente “inútil”… Mas no dia seguinte, lá está outra caixa… Mais uma vez, você abre correndo, e dessa vez há alguma coisa da qual você gosta muito… Uma lembrança de alguém distante, uma roupa que você viu na vitrine, a chave de um carro novo, um casaco para os dias de frio ou simplesmente um ramo de flores de alguém que se lembrou de você… E isso acontece todos os dias, mas nós nem percebemos… Todos os dias quando acordamos, lá está, à nossa frente, uma caixa de presentes enviada por Deus, especialmente para nós: um dia inteirinho para usarmos da melhor forma possível! Às vezes ele vem cheio de problemas, coisas que não conseguimos resolver, tristezas, decepções, lágrimas… Mas outras vezes, ele vem cheio de surpresas boas, alegrias, vitórias e conquistas… O mais importante é que, todos os dias, Deus embrulha para nós, enquanto dormimos, com todo o carinho, nosso presente: o dia seguinte! Ele cerca nosso dia com fitas coloridas, não importa o que esteja por vir… A esse dia que acordamos, chamamos presente… O presente de Deus pra nós. Nem sempre ele nos manda o que esperamos o que queremos… Mas ele sempre, sempre e sempre, nos manda o melhor, o que precisamos, e que é sempre muito mais do que merecemos… Abra seu presente todos os dias, primeiro agradecendo a quem o mandou, sem se importar com o que vem dentro do “pacote“. Sem dúvida, ele não se engana na remessa dos pacotes. Se não veio hoje o presente que você esperava, espere… Abra o de amanhã com mais carinho, pois a qualquer momento, os sonhos e planos de Deus pra você chegarão embrulhadinhos pra presente! Deus não atende as nossas vontades, e sim nossas necessidades. Que você tenha um dia abençoado, cheio da presença de Deus, e que seu presente venha lhe trazer muita paz, experiências com Deus, e esclarecimento sobre o muito que ainda temos a aprender com ele e por ele!

Fraternalmente,

Fabiana


Eu, o Senhor, digo e faço!

junho 18, 2012

Leitura da Profecia de Ezequiel:

Assim diz o Senhor Deus: “Eu mesmo tirarei um galho da copa do cedro, do mais alto de seus ramos arrancarei um broto e o plantarei sobre um monte alto e elevado. Vou plantá-lo sobre o alto monte de Israel. Ele produzirá folhagem, dará frutos e se tornará um cedro majestoso. Debaixo dele pousarão todos os pássaros, à sombra de sua ramagem as aves farão ninhos. E todas as árvores do campo saberão que eu sou o Senhor, que abaixo a árvore alta e elevo a árvore baixa; faço secar a árvore verde e brotar a árvore seca. Eu, o Senhor, digo e faço”. (Ez 17,22-24)

Essa passagem do livro do profeta Ezequiel me fez meditar em como Deus escolhe e capacita os que quer. O Senhor nos diz que tirará um galho da copa do cedro, então é Ele que vai, que tira e que planta. Ou seja, Ele escolhe e Ele diz mais, diz que abaixa a árvore alta e eleva a baixa, faz secar a verde e brotar a seca.

Essas palavras falaram forte ao meu coração. Lembrei da passagem que diz que Deus escolhe os fracos para confundir os fortes. Quantas vezes peco por não acreditar que Deus pode agir numa árvore pequena e frágil, que pode dar vida a uma plantinha que está quase morrendo, como muitas vezes me encontro. Quantas vezes não acreditei que Deus capacita os incapazes e escolhe os despreparados, que Ele escolhe os que quer e que mostra ao mundo que Ele vê e exerga as coisas de uma forma diferente, que o que muitas vezes para o mundo é nada para ele é importante.

Na Bíblia encontramos muitos personagens que foram escolhidos e capacitados por Deus. Desde Abraão, a Moisés, Profeta Jeremias que era um jovem e o Senhor diz: “Sou eu quem falarei em ti”, assim como São Pedro, que era um simples pescador e se tornou o primeiro chefe da Igreja e pregou para multidões após receber o Espírito Santo. Esses exemplos bíblicos vem confirmar o que já sabemos, que é o Senhor que tudo faz!

Peço perdão ao Senhor, pela vezes que não acreditei, não confiei e não me lancei em missões por medo, pelo sentimento de incapacidade e de limitação.

Se o Senhor te convida a uma missão, se Ele te colocou em determinado trabalho, não temas, faça a sua parte e o Senhor que é fiel fará a parte dele, pois Ele é o Senhor que diz e faz!

Força, Fé e Coragem!

Fraternalmente,

Fabiana