Decida-se pelo amor!

fevereiro 20, 2014

Linda mensagem do Monsenhor Jonas Abib. Tocou meu coração, espero que toque o de vocês também!

Fraternalmente,

Fabiana Paula

amor

Decida-se pelo amor

Muitos não têm a coragem de amar, porque já sofreram muito, seja na família, no casamento etc. Talvez você já tenha sofrido e, é claro, não quer passar por essa situação novamente. Por isso, deixou de amar para não sofrer. Independente dos acontecimentos, é no amor que está a salvação para você. É no amor-doação que as pessoas com quem você se relaciona serão salvas.

Apesar das decepções e dos problemas familiares, ame. Decida-se pelo amor! Não são apenas os jovens que precisam despertar para o amor; há muito adulto, muita gente casada que precisa redescobrir a graça de amar.

Quantas pessoas guardaram decepções! Quantas pessoas curtiram revoltas no coração! Quantas são vítimas da própria revolta com um pai alcoólatra, irresponsável, ausente, infiel, bruto, autoritário… Quantas pessoas, decepcionadas com a família, já não são capazes de amar.

Amar é vida. Não amar é morte. É preciso reaprender a amar. Problemas existem e adoecem o coração, mas não é por isso que você não vai amar. Deus lhe dá a capacidade de amar, mas se decidir a amar depende de você. Se você se decidir pelo amor, tudo vai mudar na sua vida.

O mundo é de quem ama. Quem não ama permanece na morte.

Seu irmão,

Monsenhor Jonas Abib


Quando me sinto…

fevereiro 18, 2014

menina com flores

Quando me sinto fraca, ouço a voz do Senhor que me diz: Eu sou a tua força!
Quando me sinto triste, ouço a voz do Senhor que me diz: Eu sou a tua alegria!
Quando me sinto desanimada, ouço a voz do Senhor que me diz: Eu sou a tua esperança!
Quando acho que tudo vai terminar, ouço a voz do Senhor que me diz: Está apenas começando tua história, crê e espera, Eu estou contigo!

Obrigada Senhor, pela tua presença em minha vida, sou como uma criança que depende de ti e precisa estar sempre segura em tuas mãos!


Garçons da Palavra de Deus?

fevereiro 18, 2014

Garçons

Continuando nossa série de formação para músicos e o tema de hoje é uma pergunta: Somos garçons da Palavra de Deus?

Essa é uma pergunta que pode parecer estranha, esquisita e sem muito sentido para um ministro de música. Mas se pensarmos direitinho na profissão do garçom vamos entender melhor. Ah, eu coloquei na primeira pessoa do plural(nós), pois me incluo em todas as formações que escrevo, sou a primeira que preciso refletir sobre todos os temas que escrevo.

Achei a seguinte definição: “garçons são os funcionários que trabalham em restaurantes ou bares servindo comida e bebida aos clientes”.

Muito bem, esse é o grande risco que corremos, sermos apenas garçons da palavra de Deus, quando levamos até as pessoas o alimento espiritual para os que têm fome e sede de Deus, mas apenas “servimos” e não provamos também. Levamos lindos pratos e as pessoas comem, bebem e saem felizes, saciadas. Lindas canções, muito bem cantadas e executadas, lindos arranjos, lindas letras, belos vocais, grandes músicos, mas o que realmente fica para nós músicos depois de cantar ou tocar? Apenas mais uma apresentação musical? Apenas mais um show? Apenas mais uma missa?

A coisa mais linda da nossa missão de ministros de música é que não somos garçons, pois em primeiro lugar o alimento não é nosso, vem de Deus e nós apenas levamos aos corações das pessoas e o mais importante é que é gratuito, não custa nada, para receber o pão da palavra basta apenas um coração aberto e contrito. A graça é de graça.

Depois, algo importante e fundamental é que ao mesmo tempo em que somos portadores da mensagem do Reino nós também nos alimentamos, somos participantes, convidados e recebemos todas as graças. Então quando ministramos a música não podemos levar algo que não tenhamos provado. Precisamos ser os primeiros a experimentarmos aquilo que cantamos.

Provai e vede quão suave é o Senhor!(Sl 33)

Força, Fé e Coragem a todos nós! Unidos em oração!

Fraternalmente,

Fabiana Paula


Viver em Jesus…

janeiro 14, 2014

Viver em Jesus é sentir-se assim: livre, feliz, tranquila, em paz… Obrigada Jesus!

livre em Jesus


A última corda

janeiro 13, 2014

paganini

Era uma vez um grande violinista chamado Paganini. Alguns diziam que ele era muito estranho. Outros, que era sobrenatural. As notas mágicas que saíam de seu violino tinham um som diferente, por isso ninguém queria perder a oportunidade de ver seu espetáculo.

Numa certa noite, o palco de um auditório repleto de admiradores estava preparado para recebê-lo. A orquestra entrou e foi aplaudida. O maestro foi ovacionado. Mas quando a figura de Paganini surgiu, triunfante, o público delirou. Paganini coloca seu violino no ombro e o que se assiste a seguir é indescritível. Breves e semibreves, fusas e semifusas, colcheias e semicolcheias parecem ter asas e voar com o toque daqueles dedos encantados.

De repente, um som estranho interrompe o devaneio da platéia. Uma das cordas do violino de Paganini arrebenta. O maestro parou. A orquestra parou. O público parou.

Mas Paganini não parou.

Olhando para sua partitura, ele continua a tirar sons deliciosos de um violino com problemas. O maestro e a orquestra, empolgados, voltam a tocar. Mal o público se acalmou quando, de repente, um outro som perturbador derruba a atenção dos assistentes. Uma outra corda do violino de Paganini se rompe. O maestro parou de novo. A orquestra parou de novo.

Paganini não parou.

Como se nada tivesse acontecido, ele esqueceu as dificuldades e avançou, tirando sons do impossível. O maestro e a orquestra, impressionados voltam a tocar. Mas o público não poderia imaginar o que iria acontecer a seguir. Todas as pessoas, pasmas, gritaram OOHHH! Que ecoou pela abobada daquele auditório. Uma terceira corda do violino de Paganini se quebra. O maestro pára. A orquestra pára. A respiração do público pára.

Mas Paganini não para.

Como se fosse um contorcionista musical, ele tira todos os sons da única corda que sobrara daquele violino destruído. Nenhuma nota foi esquecida. O maestro empolgado se anima. A orquestra se motiva. O público parte do silêncio para a euforia, da inércia para o delírio.

Paganini atinge a glória.

Seu nome e sua fama atravessam o tempo. Não apenas como um violinista genial, mas como símbolo do profissional que continua, mesmo diante do aparentemente impossível.

Essa história nos ensina o valor da dedicação, da persistência e do profissionalismo e acima de tudo da perseverança, mesmo quando as coisas parecem não estar bem e parece que tudo está dando errado não devemos parar nem desistir. Mesmo quando nos sentimos limitados , podemos dar nosso 100% na nossa limitação e coisas lindas podem surgir diante das impossibilidades e fragilidades assim como aconteceu com Paganini.

Fraternalmente,

Fabiana Paula


A inveja musical, veneno que corrói nosso ministério!

janeiro 9, 2014

Hoje quero partilhar com vocês sobre um tema muito adequado e pertinente para nós músicos que é a inveja. O inimigo nos bombardeia e nos tenta com muita força para que sintamos inveja e abramos as portas para todos os outros pecados que acompanham essa “cruel mamãe”.

inveja

A inveja é um vício capital. Designa a tristeza sentida diante do bem do outro e do desejo imoderado de sua apropriação, mesmo indevida. Quando deseja um mal grave ao próximo, é um pecado mortal: “Santo Agostinho via na inveja o pecado diabólico por excelência. Da inveja nascem o ódio, a maledicência, a calúnia, a alegria causada pela desgraça do próximo e o desprazer causado pela sua prosperidade.” (São Gregório Magno)” (CIC 2539)

Na música ouvimos com frequência os seguintes murmúrios:

– Porque ela está cantando e não eu… Eu canto muito melhor…

– Esse cara não toca a metade do que eu toco e ninguém me chamou…

Que triste é saber que alguns se alegram quando veem um irmão desafinar, sentem um prazer em ver o constrangimento de um erro do outro. Algumas vezes risinhos e olhares quando a banda erra, o cantor erra, esquece a letra ou desafina e isso é motivo de alegria para alguns invejosos.

A inveja na música se dá muitas vezes quando vemos um dom especial no outro, uma qualidade, um potencial, uma vitória conquistada e isso nos entristece, nos incomoda, porque queríamos ter esse “dom especial”, quantos se enfurecem com os elogios e aplausos recebidos pelos outros pois o invejoso quer ser sempre o centro das atenções e odeia ficar de “coadjuvante” na história. Já vi pessoas tendo quase um “surto”, quase uma “crise de abstinência” musical porque tiveram que dividir o “palco”, ou melhor, sair um pouco de cena e deixar o outro “aparecer”. Tem gente que passa “cola” no microfone e não quer dividir com o outro.

A inveja é um dos sete pecados capitais, a palavra “Capital” vem do latim “Caput” que significa cabeça, então ela é a mãe de muitos outros como o ciúme, a fofoca, a mentira, a cobiça, a discórdia e a murmuração, por exemplo. Na tristeza pelo bem do outro, muitos iniciam uma luta contra o seu potencial “inimigo” gastando seu tempo precioso observando a vida do outro e espalhando seu veneno com difamações, sujando e denegrindo a imagem do outro, e o veneno é jogado de forma sutil e em pequenas doses. Pequenos comentários com um e com outro e o joio começa a ser lançado. De repente, quando menos se imagina um boato é espalhado e uma pessoa é manchada em sua dignidade.

Cuidado com o que comenta, com o que publica, com o que pensa ou imagina, pois muitas vezes você pode estar errado, cego pela inveja cria uma imagem totalmente distorcida de alguém e faz com que outros acreditem em sua inverdade. Um dos piores assassinatos é o da imagem do outro. Já aconteceu comigo, fui elogiar determinado músico e alguém me disse, “Ah, você diz isso porque não o conhece, ele é isso, isso, isso…” Fiquei perplexa e quase acreditei, um dia conheci a pessoa e vi que não era bem assim, bom, todos temos limitações, mas não era da forma como  me disseram.

O que fazer quando a inveja vem ao coração?

Sentir inveja no primeiro momento não necessariamente é pecado, pois todos nós sentimos em certas ocasiões de nossa vida, mas apenas o consentimento com esse sentimento, já abre o coração para o pecado. Alimentar essa inveja, deixar que ela entre, dar “asas a imaginação” é abrir as portas não só para a inveja, mas para toda a sua família.

Há um exercício que é difícil a princípio, mas depois vai se tornando mais fácil. Agradecer a Deus pelo dom do outro que eu não tenho, pois Deus não nos fez todos iguais, Deus tem e distribui uma diversidade de dons aos seus filhos e isso é lindo pois assim precisamos uns dos outros, ninguém é completo(por mais que alguns pensem que são), ninguém sabe fazer tudo e isso é muito importante. Para que você vença a tentação da inveja, a cura passa por um meio principal e fundamental que é a oração de AÇÃO DE GRAÇAS. Ela destrói o plano do maligno e faz justamente o contrário do que foi arquitetado pelo diabo. Ação de Graças, vem do grego Eucaristia(agradecer). Em grego obrigada se diz “Eυχαριστώ / Eukaristó”. Faça esse exercício, mesmo sem vontade, mesmo com o coração fechado, vale a pena, aos poucos o Espírito Santo vai quebrando e derretendo o gelo e o sentimento de inveja e tristeza pela vitória do outro vai passando.

Ele quer o povo de Deus desunido, competindo e em constante tensão. E nós queremos usar nossos dons para maior glória de Deus, por isso rezamos e torcemos pelo bem do outro. Devemos estar solidários quando o outro errar, dando força e apoio. Se você vê que tem muita gente cantando em “tal lugar” vá para outro que não tem ninguém, se não te chamaram para “tal lugar”, vá para aquele lugar distante e pobre que te chamaram, que precisa de sua evangelização, onde o povo tem sede e fome de Deus e você será muito útil. Para que querer ter fama e ser reconhecido pelas pessoas, quem deve ser amado e reconhecido é Jesus Cristo, você é apenas um portador da mensagem do Evangelho. Pare de olhar a vida outro do outro, seus projetos musicais, seus sucessos e bons êxitos. Reze e faça seus projetos mas não para aparecer, mostrar trabalho ou “dar o troco” e sim para fazer a vontade de Deus. Com todo carinho e amor, cuide de sua própria vida e verá que será fantástico, será uma libertação! Se for para entrar na vida do outro que seja para somar, para o bem do irmão, caso contrário não vale a pena.

Fico boba como tem pessoas que perdem seu tempo criticando cantores e bandas. Acho uma bobagem ficar escrevendo comentários negativos no you tube e em outras redes sociais. Vejo que há uma infinidade de pessoas que perdem seu tempo precioso criticando, ridicularizando e ofendendo bandas e cantores. Tem pessoas que abrem grupos em redes sociais para falar mal de tal ou tal cantor ou banda. Porque não abre um grupo para divulgar o cantor ou banda que você gosta ou que tem belas canções que tocam seu coração? É muito mais inteligente!

Pare de olhar para o quintal do vizinho e ficar invejando um quintal lindo, cheio de flores, árvores frutíferas, capim cortado e até uma linda horta, quando o seu está sujo e sem vida. Volte-se para seu quintal e mãos a obra. Cuide com amor do seu quintal, sem querer competir com o do seu vizinho, cuide do que é seu porque lhe foi confiado para que você administre. Plante flores, árvores, decore e verá como ficará lindo. Assim terão muitos quintais lindos, perfumados e todos sairão ganhando com uma rua, um bairro, uma cidade, um país bonito e bem cuidado.

inveja 1

Multiplique o seu talento sem se preocupar com o talento do outro. Aprenda a dividir também, a silenciar e deixar o outro cantar e tocar. Não se apegue a um microfone ou a um instrumento musical, pois seu ministério é muito mais que isso: É partilha, solidariedade, amor, respeito, tolerância, é coerência com a proposta do Evangelho. Todas as vezes que a inveja bater a sua porta, mande-a embora com a oração de ação de graças.

“Tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama… Se alguma virtude há, seja isso que ocupe o vosso pensamento.” (Filipenses 4.8)

Rezemos juntos:

Muito obrigado Senhor pelo dom do meu irmão (ã) que eu não tenho pela oportunidade dada a ele que ainda não chegou até mim. Agradeço-te pela vida e pelo dom do meu irmão (ã), mas também pelos dons que me destes, não quero esquecer dos talentos que me destes e pelas minhas qualidades e habilidades. Eu quero sempre me alegrar com o meu bem, mas de forma especial com o bem do outro e que a cada dia ele (ela) seja mais feliz e multiplique os talentos recebidos para maior glória e honra do Reino de Deus.

obrigado senhor

Fraternalmente,

Fabiana Paula


História de Natal contada por crianças

dezembro 27, 2013

Olá meus queridos amigos do meu blog. Desculpem a ausência, espero em 2014 poder estar mais presente aqui interagindo com vocês.

Estamos ainda nas oitavas de Natal e quero desejar a todos um tempo de muitas bênçãos e que o Menino Jesus que nasceu em Belém nasça e faça morada em nossos corações!

Abraço fraterno nesse tempo natalino!

Fabiana Paula