Ele caminha junto a nós!

maio 4, 2014

Discípulos de Emaús

Paz e Bem queridos!

A passagem dos discípulos de Emaús é uma das leituras do Evangelho que mais amo. 
A tristeza, a decepção, a solidão, a traição, a angústia, a desesperança são sentimentos negativos que nos acompanham em determinados momentos de nossa vida e que muitas vezes nos cegam da presença constante e real do Senhor. Cegaram também aqueles discípulos que estavam entristecidos com a morte do grande profeta que eles admiravam e seguiam.
Nossa dor não pode nos separar do amor de Deus. Nossos sofrimentos não podem nos deixar longe da graça do Senhor que é gratuita e atinge a todos.
Quando as coisas parecerem estar arruinadas, destruídas e sem saída, lembre-se desse versículo:
Quando se sentou à mesa com eles, tomou o pão, abençoou-o, partiu-o e lhes distribuía. Nisso os olhos dos discípulos se abriram e eles reconheceram Jesus” (Lucas 24, 30-31).
Nossos olhos se abrem quando somos alimentados e fortalecidos por Jesus. ELE abre nossa visão e nos traz alegria e conforto. Reconhecemos Jesus na partilha, na comunhão, na fração do Pão, na Eucaristia.
Você se sente só e não consegue sentir a presença do Senhor? Leia a Bíblia, abra seu coração e deixe o amor do Senhor entrar e se alimente da sua Palavra e da Eucaristia. Volte à casa do Pai, à Igreja e se alimente do Corpo e Sangue do Senhor que tira toda cegueira de nossa mente e coração.
E termino dizendo, assim como os discípulos de Emaús disseram, essa linda frase, que essa seja nossa oração no dia de hoje:

Fica conosco Senhor!!!!!!

Tenha certeza o Senhor caminhada junto a ti!

Fraternalmente,
Fabiana Paula


Perdoar a si mesmo

abril 1, 2014

amar a si mesmoHoje quero partilhar sobre a graça libertadora do perdão.  Muitas vezes precisamos de momentos de autoconhecimento e liberar o perdão para nós mesmos.

Sim, é isso mesmo.  Precisamos perdoar a nós mesmos!

Já partilhei várias vezes e algumas pessoas expressam surpresa com o fato de desconhecerem o auto perdão. Perdoar a si mesmo, voltar a sua história de vida e encontrar os momentos em que você errou e seus erros trouxeram dor e consequências definitivas a você e a outros.

Quantas pessoas se arrependem de atos cometidos, palavras proferidas e de terem alimentado determinado pensamento?

Há pessoas que levam dentro de si culpa, remorso, arrependimento, e tudo isso são inimigos constantes de algumas pessoas e traz junto a humilhação, a vergonha, o medo e a maior consequência: a autopunição.

Para se livrar disso tudo faça uma lista de tudo aquilo que você se culpa, daquilo que fez e não fez. Seja honesto consigo mesmo. Depois, pense sobre as motivações que o fizeram fazer certas escolhas, agir de determinada forma e, ao invés de se culpar, punir ou se castigar, comece a lembrar de que muitas escolhas foram feitas por falta de maturidade, por ignorância, porque era o melhor que se podia fazer naquele momento. Nunca julgue situações passadas com valores do presente. E não se puna por tudo isso, mas procure reconciliar-se com sua história.

Uma maneira de cultivar a culpa é estar sempre exigindo perfeição de si mesmo. A anorexia e bulimia são exemplos disso. Nunca há satisfação consigo mesmo, gerando culpa, insatisfação e uma enorme dificuldade de se perdoar. Tudo que faz poderia ser melhor. Não importa o que faça ou conquiste. Ou o pior, não importa quem se é, parece que nunca é o bastante.

O perdão oferece saída para esse círculo vicioso, como uma escolha consciente de mudança. Será que a verdadeira causa está sendo considerada? Do contrário, tudo tende a piorar. Será que essa fome, esse vazio, não seria a necessidade, também inconsciente, de amor? Por que não buscar a fonte verdadeira que sacia toda fome e sede do nosso coração? O amor de Deus é o verdadeiro amor que preenche todos os vazios e traz paz e felicidade ao coração.

Perdoar a si mesmo exige uma completa honestidade e integridade para que se alcance a cura de tantos males, de tanta falta de amor-próprio. É um processo de reconhecer a verdade, assumir a responsabilidade pelo que fez, aprender com a experiência, reconhecer os sentimentos que motivaram determinados comportamentos, abrir seu coração para si mesmo, ouvir seus medos, curar certas feridas e isso você pode conseguir sendo amoroso e responsável consigo mesmo.

Peça ao Senhor que cure a ferida que mais lhe dói, que Ele cure sua vida emocional. A verdadeira cura começa fazendo as pazes consigo mesmo. O poder curativo do perdão e do amor talvez seja o remédio mais poderoso que temos. E está nas mãos de cada um de nós. E você pode começar com você mesmo! Quem cura e perdoa é Deus, mas somos nós que damos o primeiro passo e aquilo que não podemos fazer, Ele faz!

Faça a experiência e perdoe a si mesmo e após ter liberado o perdão a si mesmo, comece então a perdoar e pedir perdão a todos os outros que fazem parte de sua história. Busque a confissão para alcançar o perdão de Deus diante dos pecados cometidos e uma total libertação.

Vamos rezar juntos:

Senhor Jesus, te peço nesse momento que me ajudes a superar todos os meus erros cometidos, todas as minhas frustrações e arrependimentos. Ajuda-me a entender que não posso mudar os acontecimentos passados, mas que posso refazer minha história perdoando a mim mesmo em primeiro lugar e depois aos que passaram em minha vida. Eu quero Senhor, por isso peço tua ajuda para que eu possa perdoar a mim mesmo e refazer minha história fortalecida em ti, em teu amor e em tua misericórdia.

Obrigada Senhor!  

amar a si mesmo 2


ADVENTO: AURORA DO NATAL

novembro 26, 2013

advento-h                           

   Primeiro domingo do Advento: iniciamos um novo tempo litúrgico. É tempo de preparação para a vinda do Senhor. É tempo de espera. Tempo de encontro. Encontro da Família. É tempo de Natal. Tempo de alegria. Vida nova. Novos sonhos e esperanças. É tempo de despertar. Não há mais motivos de medo. A aurora anuncia um novo Sol. Vamos abrir nossos corações. Deixemos a luz do céu entrar. O Senhor vai chegar. São quatro domingos, quatro semanas de preparação para a vinda do Menino de Belém. A cor das vestes litúrgicas é o roxo. Os personagens bíblicos são: Isaías, João Batista e a Virgem Maria.

                        Advento exige conversão, mudança interior, renovação de espírito. É tempo de novena. Novena que reúne famílias e a própria família. É momento de encontros com vizinhos de bairro e condomínios. É um novo tempo: preparar a casa, a árvore de Natal, tempo de luzes e de cores. É tempo de Paz e de alegria. É tempo de perdão e reconciliação. É tempo de amar a todos: sem distinção de raça, cor ou nível social. É tempo de reconhecer que todos têm a mesma origem. Todos somos filhos de Deus.

                        O tema principal do advento é a espera do Messias. Anunciada já no Antigo Testamento pelos Profetas, especialmente por Isaías. O tempo de espera deve ser marcado pela vigilância. O importante é estarmos preparados, pois não sabemos nem o dia e nem a hora da chegada. Devemos abrir o coração, para que o Senhor possa entrar. O Senhor virá: e como será que ele virá? Como será que ele estará vestido e em que condição social? Qual será a sua idade? Como ele se apresentará? Devemos estar prontos para acolhê-lo. A casa deve estar preparada, limpa, aberta e ser acolhedora. O Senhor certamente se apresentará na pessoa mais próxima de cada um de nós. Ele está e estará sempre ao nosso lado.

                        As condições para celebrarmos o Advento: vigiar em oração e perseverar na caridade. Ter corações leves. Romper com os vícios: do consumismo, do materialismo, das preocupações mundanas, do comprar e adquirir sem limites, do ativismo desenfreado. Superar a maldade interior, os rancores, as mágoas, os ressentimentos, as lembranças negativas do passado. O Advento é tempo de perdão, de reconciliação, de renovação espiritual. É tempo de celebrar a vida, vida nova. É tempo de renascer, florescer e frutificar. É tempo de distribuir, partilhar, de abrir portas e corações. Tu és a nossa única esperança. Vem, Senhor Jesus. Aurora do Natal.

Frei Sergio Pagan – 1º domingo do Advento de 2013.


Músicos segundo o coração de Deus: À frente da batalha

novembro 7, 2013

músico e a cruz

Nosso ministério, assim como todo serviço a Deus é cheio de desafios, tentações, tendências, manias e muita coisa que vem somente para atrapalhar o plano de Deus e a nossa convivência com os irmãos e a amizade com Deus.

Um dos maiores desafios da caminhada e entender que nosso ministério é um ministério de poder, pois leva muitas pessoas a uma vida nova, a santidade e a um reencontro com o Senhor e é claro que o inimigo de Deus não fica feliz em ver almas sendo resgatadas e tenta de todas as formas os ministros de música. Quando você canta ou toca, não é puramente uma apresentação musical, mas uma ministração, onde unimos a arte que é dom de Deus e o objetivo de evangelizar através daquilo que sabemos fazer.

O ministério de música tem lugar de suma importância no campo espiritual. A palavra nos ensina:

“Depois de consultar o povo, Josafá nomeou alguns homens para cantarem ao Senhor e o louvarem pelo esplendor de sua santidade, indo à frente do exército, cantando:” Deem graças ao Senhor, pois o seu amor dura para sempre”. Os inimigos saíam em disparada. Os cantores iam à frente anunciando que o vencedor, o valente, o guerreiro havia chegado. O vencedor era o Senhor: sua Arca era apenas o sinal; o sinal do Vencedor que chegara para vencer. “ (II Cr 20,21-22)

Gente, essa passagem é forte demais! Os cantores estão à frente e anunciam… Essa é a nossa missão: Ir à frente anunciando que o Senhor, Deus dos Exércitos é o vencedor. Não há dor, nem tristeza, nem solidão, nem enfermidade, nem decepção, nem tão pouco o espírito de derrota deve nos perturbar, pois Aquele que é maior que tudo isso está conosco nos guiando e protegendo. Mas é importante saber que somos só anunciadores, portadores da mensagem, como aquele burrinho que entra em Jerusalém com Jesus, vê aplausos, mantos, palmas, palavras de júbilo, elogios, mas tudo era para Jesus. Por mais que cantemos lindamente, com muita afinação e que nossos instrumentos produzam um som harmonioso e preciso, não podemos esquecer que tudo é dom, presente de Deus, veio e vai para a honra e glória do Senhor e uma coisa é muito importante: A INTENÇÃO da música. Ela deve louvar, exaltar, levar mensagem lembrando sempre que quem tudo fez e faz é o SENHOR. Quem está no palco apenas “por si” se afasta do real sentido da música cristã. Vender CDs, fazer sucesso, ser conhecido não é nada se não houver a reta intenção de evangelizar.

Um abraço afetuoso a todos e até a próxima formação.

Fraternalmente,

Fabiana Paula


Série: Músicos segundo o coração de Deus

outubro 6, 2013

Músicos de Deus

Oi gente, hoje dou início a postagem de algumas formações para músicos. Acredito que será muito edificante para nós, músicos cristãos. Já faz algum tempo que quero começar a postar alguns escritos sobre ministério de música a partir de minhas experiências pessoais, meus erros, meus acertos, de tudo que tenho vivido ao longo desses anos de ministério.  O mais legal de tudo isso é saber que a primeira pessoa que precisa ouvir todos os dias sou eu. Escrever sobre algo assim tão importante que é a música cristã, é uma grande responsabilidade e grande desafio, mas não posso ser omissa e não fazer o que o Senhor me impulsiona: Ser portadora de palavras que possam edificar, orientar e ajudar os irmãos músicos a cada vez mais serem melhores mensageiros, portadores da Boa Nova de Jesus Cristo.

Vamos caminhar juntos, conto com a presença, comentários, sugestões e orações de todos.

Músicos segundo o coração de Deus

Ao pensar em iniciar uma série formativa para músicos pensei em seguir uma linha e me veio ao coração a frase: Músicos segundo o coração de Deus. Essa frase já existe, não foi criada por mim, mas me impactou porque o nosso ministério se torna fecundo quando caminhamos e seguimos os direcionamentos do Senhor. Por vezes somos tentados a fazer a nossa vontade, seguir nossos impulsos, dar vazão a nossos próprios projetos, mas esquecemos de conversar e saber se os nossos planos e projetos estão de acordo com o que o Senhor pensou para nós, se estão no plano de amor e salvação d’Ele para nossas vidas. De uma coisa eu tenho certeza: Deus sabe o que é melhor para cada um de nós e se a princípio precisamos adequar nosso ministério, nossas missões, mudar algo que Deus nos pede é porque é o melhor para nossa vida. Não entendo como tem pessoas que querem seguir sozinhas fazendo sua vontade num ministério de música. Ministro de música é orante, busca não só os acordes musicais, as notas precisas e os ensaios, mas uma vida de amizade e proximidade com o Senhor. Como vamos cantar algo ou alguém que não conhecemos? Como cantar a pessoa de Jesus Cristo se não somos ainda seus amigos ou se somos amigos distantes, se temos reservas e fazemos apenas o que queremos?

O músico de Deus é aquele sensível ao seu Mestre. É aquele que ouve a voz do seu Pastor, que o deixa conduzi-lo. Assim como as ovelhas, se formos à frente do nosso Pastor, vamos nos perder, não saberemos o caminho certo, corremos o risco de entrar no caminho errado e ser atacado pelos lobos que estão presentes no percurso do nosso caminho, esperando para nos devorar.

Quero fazer uma pergunta a você: Porque você é músico de Deus? Porque escolheu entre tantos estilos, tocar, cantar canções religiosas, espirituais? Pense nessas perguntas e reflitas sobre suas respostas, se estão coerentes com sua vivência e suas escolhas.

Acredito plenamente no chamado profético que Deus faz aos músicos de serem em primeiro lugar pessoas d’Ele, profetas, mensageiros, adoradores.

Quero te convidar a um momento de oração. Há quanto tempo você não adora a Jesus ou abre a Bíblia para rezar e pedir um direcionamento ao Senhor para teu ministério? Tens rezado antes das apresentações, missas ou shows? Tem se preparado espiritualmente para as missões que Ele te confia?

Que tal fazer isso agorinha mesmo. Reze comigo essa oração e depois em sua oração pessoal, só você e Jesus , converse com Ele sobre seus planos, projetos, dificuldade, sofrimentos, decepções e alegrias também. Convido você a ter um caderninho de oração e ir escrevendo aquilo que sentiu nos momentos de oração, as citações bíblicas que confirmaram seu ministério e os direcionamentos de Deus para ele. Não ache que é coisa boba e infantil. O caderno é um registro de nossa intimidade com Deus. Como um diário aonde vamos colocando nossa experiência orante e pode ser muito útil para o futuro, até mesmo para composições e para um balanço de nosso crescimento espiritual. Faça essa experiência, tenho certeza que não se arrependerá.

Lembre-se sempre: A boca fala o que o coração está cheio, se você canta e toca canções religiosas, seu coração deve estar cheio, repleto d’Ele, do dono das canções, para assim transmitir com verdade aos outros o que já está dentro de você.

Abraço fraterno e até a próxima formação.

Fabiana Paula

Oração

Senhor, tu sabes tudo, tu me conheces e sondas meu coração. Sabes o que tenho vivido e passado em minha caminhada. Das dores e alegrias em meu ministério, por isso seja a luz e o farol a me iluminar e guiar. Fica a frente de meu ministério, não permita que as tentações do inimigo encontrem lugar em meu coração. Quero ser teu, somente teu e guiado por ti. Quero colocar meus sonhos, projetos e anseios aos teus pés, para que possas mostrar-me qual a tua vontade e eu encontre assim, a verdadeira fecundidade e alegria no servir.

Obrigado por tudo Jesus!

 


A humildade é andar na verdade

agosto 27, 2013

Recebi um email de um sacerdote amigo com uma linda reflexão, que partilho com vocês agora.

Abraço fraterno,

Fabiana.

siga-me

Estamos iniciando o mês de setembro, o mês da Bíblia, da Palavra de Deus. O Livro Sagrado dos cristãos que é uma biblioteca de setenta e três volumes, divididos em duas eras: judaica e cristã, antes de Cristo e depois de Cristo, Antigo e Novo Testamento. Certamente é o Livro mais lido, mais traduzido, mais conhecido e presente na maioria dos lares cristãos. Nossa Família tem a Bíblia e a lemos?

A primeira leitura de hoje é tirada do Livro Eclesiástico, tem o mesmo tema do Evangelho: “Quanto mais importante fores, deves humilhar-te e encontrarás graça diante do Senhor. Porque é grande o poder do Senhor e os humildes cantam a sua glória”. Este é o caminho mais seguro para a realização pessoal e para a felicidade humana do que o orgulho e a vaidade. É muito triste quando se vive da aparência, de títulos, de poder, de influência… Infelizmente ainda não aprendemos a pedagogia de Jesus, que lavou os pés dos seus discípulos e que veio para servir.

A humildade autêntica não está na moda, nem nunca estará, porque é vista como atitude dos fracos, dos vencidos, dos superados. O mundo é para os fortes, vencedores, vitoriosos, conquistadores, mesmo que seja só de títulos e de aparência. O êxito dos triunfadores tornou-se o padrão de comportamento, por isso os primeiros lugares atraem sempre os olhar e o desejo de todos. Os corredores de Formula 1 sonham com a primeira fila da largada, assim é a conduta pedagógica dentro da família, o filho tem que ser o primeiro em tudo, a qualquer preço e custo.

A humildade é andar na verdade, e não na aparência da mentira. Hoje ouvimos Jesus dizer: “Quem se exalta será humilhado e quem se humilha será exaltado”. A insistência com que se repete nos evangelhos e nos discursos de Jesus de que a verdade e a santidade estão na humildade do servir. A palavra humildade deriva do latim, humilis, que provem de húmus=terra. É a nossa origem, nossa pequenez, é a condição de toda criatura: ser pó da terra.

O texto de hoje nos lembra da oração de Maria no Magnificat: “O Senhor exaltou os humildes e derrubou os poderosos…”. A Eucaristia é o momento em que todos são iguais, sem distinção de raça e poder, de ser o primeiro ou o último. Todos tem o mesmo direito de participar do banquete eucarístico, porque não somos nós que vamos a Jesus, por sermos indignos, mas é Ele que vem a nós, na simplicidade da aparência do Pão, o Pão descido do Céu.

Frei Sergio Pagan OFM


A pecadora perdoada

junho 16, 2013

No Evangelho de hoje aprendemos uma grande lição com nosso Mestre Jesus (Luc. 7,36-8,3).

mulher pecadora[1]

Jesus nos fala sobre amor, misericórdia e perdão. Podemos encontrar várias passagens no Evangelho de Lucas que falam do perdão e da misericórdia, como a parábola do Filho Pródigo, entre outras. A passagem da pecadora perdoada nos lembra de que Jesus perdoa sem impor condições. Esse é o perdão verdadeiro, pois se impomos determinadas condições é um falso e egoísta perdão, uma máscara de perdão. Imagino que a mulher em questão devia ser “conhecida” na região e ela aproxima-se de Jesus, já devia com certeza ter ouvido falar desse grande profeta, mestre que ensinava, curava e libertava. Ela se aproxima em silêncio, não pede nada, não faz nenhum comentário, nada exigiu. Demonstrando através de suas lágrimas e do lavar dos pés do Senhor com perfume o seu arrependimento. Reconhecendo que era pecadora, que havia andado por caminhos errados, mas ela também reconhece que há um amor maior que o seu pecado, um amor que acolhe, cura, perdoa e salva.

O fariseu ao invés de fazer o mesmo que a pecadora e considerar-se também um pecador, censura o ato de Jesus, se afasta da mulher e na sua lógica ele divide as pessoas “boas” das “ruins”, “santas” das “pecadoras”. Jesus justamente acolhe a mulher porque seu coração estava aberto ao perdão, a libertação, a uma vida nova.

O amor do nosso Deus é um amor incondicional, infinito e eterno. Nossa resposta a esse amor deve ser “lágrimas”(ações) de arrependimento, confiança e agradecimento.

Gosto demais dessa canção regravada pela Eliana Ribeiro. Faz bem a alma e ao coração. Que tal ouvi-la agora?

Abraço grande e uma feliz e santa semana a todos!

Fraternalmente,

Fabiana Paula


Deus escolhe os pequenos!

janeiro 18, 2012

Olá queridos!

Ao ler a leitura do livro do profeta Samuel, senti-me impulsionada a partilhar tudo o que veio ao meu coração.

Deus os abençoe!

Fabiana Paula

Naqueles dias, o Senhor disse a Samuel: “Até quando ficarás chorando por causa de Saul, se eu mesmo o rejeitei para que não reine mais sobre Israel? Enche o chifre de óleo e vem, para que eu te envie à casa de Jessé de Belém, pois escolhi um rei para mim entre os seus filhos”.
Samuel ponderou: “Como posso ir? Se Saul o souber, vai me matar”. O Senhor respondeu: “Tomarás contigo uma novilha da manada, e dirás: ‘Vim para oferecer um sacrifício ao Senhor’.  Convidarás Jessé para o sacrifício. Eu te mostrarei o que deves fazer, e tu ungirás a quem eu te designar”. Samuel fez o que o Senhor lhe disse, e foi a Belém. Os anciãos da cidade vieram-lhe ao encontro, e perguntaram: “É de paz a tua vinda?”  “Sim, é de paz”, respondeu Samuel. Vim para fazer um sacrifício ao Senhor. Purificai-vos e vinde comigo, para que eu ofereça a vítima”. Ele purificou então Jessé e seus filhos e convidou-os para o sacrifício.
Assim que chegaram, Samuel viu a Eliab, e disse consigo: “Certamente é este o ungido do Senhor!” Mas o Senhor disse-lhe: “Não olhes para a sua aparência nem para a sua grande estatura, porque eu o rejeitei. Não julgo segundo os critérios do homem: o homem vê as aparências, mas o Senhor olha o coração”. Então Jessé chamou Abinadab e apresentou-o a Samuel, que disse: “Também não é este que o Senhor escolheu”. Jessé trouxe-lhe depois Sama, e Samuel disse: “A este tampouco o Senhor escolheu”.
Jessé fez vir seus sete filhos à presença de Samuel, mas Samuel disse: “O Senhor não escolheu a nenhum deles”. E acrescentou: “Estão aqui todos os teus filhos?” Jessé respondeu: “Resta ainda o mais novo, que está apascentando as ovelhas”. E Samuel ordenou a Jessé: “Manda buscá-lo, pois não nos sentaremos à mesa, enquanto ele não chegar”. Jessé mandou buscá-lo. Era ruivo, de belos olhos e de formosa aparência. E o Senhor disse: “Levanta-te, unge-o: é este!” Samuel tomou o chifre com óleo e ungiu Davi na presença de seus irmãos. E a partir daquele dia, o espírito do Senhor se apoderou de Davi. A seguir, Samuel se pôs a caminho e voltou para Ramá.

Gente, me encanta essa leitura porque ela demonstra que Deus não tem os critérios humanos para suas escolhas.

Quem era Davi? Um menino, um garoto, o mais novo de uma família de sete filhos. Davi nem estava em casa quando o profeta Samuel chegou, ele estava no campo com as ovelhas. Nem passou pela cabeça de seu pai Jessé que ele poderia ser o escolhido de Deus [para ser o grande Rei de Israel. Fico fascinada quando leio o que o profeta Samuel disse a Jessé quando ele apresenta seu primeiro filho, na verdade até o profeta pensa ser ele o escolhido, pois era dotado de beleza e de qualidades, mas Deus fala ao coração do profeta e seu pai Jessé fica sem entender. O Senhor falou ao coração do profeta com as seguintes palavras:

“Não olhes para a sua aparência nem para a sua grande estatura, porque eu o rejeitei. Não julgo segundo os critérios do homem: o homem vê as aparências, mas o Senhor vê o coração”. 

Gente, que coisa mais linda essa passagem. Leia uma, duas, três… Cem vezes! Deus não olha como nós olhamos para as pessoas, Ele vê o nosso interior, Ele não olha com os critérios humanos. Fico até imaginando o que deve ter passado na cabeça do irmão mais velho de Davi, que era alto, forte, corajoso, bonito, preparado, mas não foi o escolhido. Imagino o que a vizinhança deve ter comentado: “Meu Deus, Davi foi escolhido”? Talvez, colocando para nossa vida quem te conhece quando te vê pregando ou cantando possa pensar: “Fulano, cantando pra Deus?”, “Fulana, pregando, falando na Igreja?”, as pessoas estão acostumadas a avaliarem quem somos por nosso passado, nossos erros ou limitações e incapacidades e se esquecem que o Senhor faz novas todas as coisas, quem está em Cristo é uma nova criatura e que na Bíblia, Jesus em todos os seus encontros e diálogos procurou sempre os mais pecadores.

Deus vê o nosso coração. Deus não escolhe os melhores, os “prontos”, os sãos, os “capacitados”, os “preparados”, os “fortes”, “corajosos”… Ele escolhe os enfermos, os pequenos, incapazes, despreparados, porque Ele quer confundir os fortes e poderosos, porque as escolhas de Deus nos surpreendem, Ele quer mostrar ao mundo que acolhe a todos e que os fracos e pequenos são sinal da força e da grandeza d’Ele, pois Ele faz maravilhas na vida daquele que crê, que espera e que confia.

Uma coisa muito linda também que aconteceu também foi a unção de Davi com óleo. Naquela época os profetas, os homens de Deus usavam o óleo para ungir os eleitos de Deus. Hoje não usamos mais o óleo “matéria”, porque o Espírito Santo através de nosso batismo, crisma e é claro quando clamamos sua ação em nós, nos unge, nos inspira e nos prepara.

Se Deus te chamar e te escolher para uma missão, tenha a certeza que Ele te Capacitará e te dará meios para que possa cumpri-la dando o seu melhor.

Veja-se sempre como o Rei Davi, pequeno e fraco, mas com a força de Deus um vencedor!

Fiquem com Deus e muita Força, Fé e Fidelidade na missão!

Fabiana Paula


Alegrai-vos no Senhor!

dezembro 11, 2011

Nesse terceiro domingo do Advento a Liturgia nos convida a “Alegria”, alegria na espera do Natal do Senhor, alegria na espera da segunda vinda de Jesus, alegria por sermos d’Ele e vivermos para Ele. Então, vivamos alegres por sermos de Jesus, pois “Não pode ser triste um coração que ama a Cristo”… Lembrem-se”Nossa alegria não vem de nossos problemas ou tribulações, mas vem do alto, vem de Deus, por isso, mesmo quando estamos passando por momentos difíceis, Jesus que é fonte de vida e alegria nos fortalece!

Ótima semana e segue abaixo a meditação do Padre Paulo Ricardo para essa semana do Advento.

Fraternalmente,

Fabiana

“Eu não!”
Neste domingo da alegria, São João Batista se apresenta mais uma vez como “voz”. Esta auto-definição adquire uma coloração toda especial no contexto do Evangelho de São João. Santo Agostinho percebe isto ao traçar um paralelo entre “Voz” e “Palavra”, João Batista e Jesus. São João é apenas um instrumento que faz ressoar uma Palavra de Vida. Mas, para que esta Palavra chegue aos nossos corações é necessário aplainar as montanhas de nossa soberba e, com a humildade, abrir o nosso coração para que o Verbo se faça carne em nossa existência. É humildade que leva São João a dizer: “Eu não!”

http://padrepauloricardo.org/audio/68-testemunho-de-fe-3o-domingo-do-advento-11122011/


Quanto custa ser de Jesus?

setembro 20, 2011

 

Oi gente, Boa Noite!

Faz tanto tempo que não escrevo pra vocês, isso por vários motivos, às vezes falta tempo, às vezes falta de inspiração, enfim, hoje encontro ocasião, vontade e um pouco de inspiração pra partilhar aquilo que está em meu coração, pois esse é o objetivo do meu blog. Fazer partilhas minhas, pessoais, mas ao mesmo tempo, partilhas que sejam enriquecedoras pra vocês que sempre lêem.

Agora a pouco estava pensando no seguimento de Jesus, que não é fácil segui-Lo como muitos pensam, mas também que Jesus nunca nos “iludiu”, Ele nos disse como seria: “Se alguém quiser me seguir, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e me siga.” (Mat 16.24) 

Ou seja, Jesus foi claro em nos ensinar que os seus seguidores deveriam saber que a cruz estaria presente em sua caminhada, que não seria um caminho só de flores, onde os problemas não existiriam, onde não haveria dor, onde viveríamos o tempo todo só em  alegrias… Em Mateus 10.38 disse Jesus: Quem não toma a sua cruz e não segue após mim, não é digno de mim.

Por isso tantos desistem da caminhada, se revoltam se frustram, se decepcionam, acham que porque estão no caminho do Senhor, sua vida será só festa, mas a vida prossegue em seu curso normal, ou seja, cheia de dificuldades, situações de conflito, desafiantes. Em outras ocasiões Ele disse: “Meu caminho é o da porta estreita”(Mt 7.13), ou seja, a porta larga cheia de facilidades não é a porta aberta por Jesus, a d’Ele é a estreita, onde precisamos nos fazer pequenos para poder entrar, onde nos desfazemos de nós mesmos, do nosso orgulho, de nossas vaidades para deixá-Lo ser o primeiro, o único a comandar e guiar o barco de nossa vida.

Com isso, não estou dizendo que nossa vida será só lamento ou tristeza, Não! Mas a dor, a tristeza, as tribulações para o cristão tem um significado diferente; transformamos a dor e as tristezas em amor, em motivo para continuar a caminhada, sabendo que as durezas da vida não são o fim, mas só um meio, a vida não acaba aí.

Ás vezes na vida precisamos renunciar a algo, a coisas que aparentemente doem, parece que aquilo nunca vai acabar, a gente se sente enfraquecido, mas mesmo assim continuamos caminhando, estamoslevando a cruz, mas somos fortalecidos pelo Senhor… No momento da “Via-Crúcis”, devemos lembrar de onde vem nossas forças… Você está vivendo por suas próprias forças? ou está buscando renovar suas forçam no Senhor? A Palavra de Deus ensina:

Os que esperam no Senhor renovarão as suas forças, subirão com asas como águias,

correrão e não se cansarão, caminharão e não se fatigarão…” (Is 40.31) 

Eu, por minhas próprias forças desanimo, me canso e penso que não vou conseguir continuar caminhando, mas quando busco no Senhor forças para a caminhada, encontro a força que preciso para prosseguir.

E o mais lindo de tudo, é saber que o Senhor nos dará a vitória, depois da cruz vem a ressurreição, então o tempo da “Via dolorosa” é necessário e faz parte, mas ao final, tudo terminará em ressurreição!

Confie, espero, reze e creia o Senhor está contigo, pois foi Ele mesmo que nos disse:

“No mundo tereis tribulações, mas coragem! Eu venci o mundo” (Jo 16.33).

Essa foi a ordem do Senhor, CORAGEM! Obedeçamos e sigamos confiantes em sua presença que nos fortalece e sustenta.

Fiquem com Deus e uma semana maravilhosa!

Fabiana Paula


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 905 outros seguidores